Pular para o conteúdo principal

Em algum lugar da Califórnia, mas de volta ao caminho certo



Night Ranger - Somewhere In California [2011]


É impossível falar da ascenção do Hard Rock nos anos oitenta sem comentar o Night Ranger. Os discos do quinteto californiano já venderam mais de dez milhões de cópias por todo o mundo e hits como Don't Tell Me You Love Me, Sister Christian e Sentimental Street ajudaram a escrever o nome dos caras na história da música.

As crises após a década de 1980 deixaram a banda em um hiato, mas a partir da metade da década de 1990 novos álbuns foram lançados, chegando até o mais recente "Hole In The Sun", o primeiro através da Frontiers Records - a gravadora italiana responsável por manter muita gente boa e roqueira ainda na ativa. Três anos depois esse, o Night Ranger apresenta mais um trabalho de inéditas.

"Somewhere In California", décimo da discografia do Ranger, retoma a proposta altamente Rocker que consagrou o conjunto nos bons tempos (seu antecessor acrescenta pitadas modernas além do costume). A maioria das faixas apresentam um Hard Rock grandioso, muitas vezes melódico e digníssimo de arenas e estádios, desde os riffs grudentos até os refrães de fácil assimilação.



As características musicais de "Somewhere In California", mesmo com dois novos integrantes, se assemelha bastante ao que já se tornou padrão para o Night Ranger. Os vocais cativantes de Jack Blades, às vezes divididos com o batera Kelly Keagy, são ponto forte no registro, e a dupla não se intimida ao mandar, também, uma bela cozinha. As guitarras cruzadas ainda marcam presença em várias nuances e Joel Hoekstra não se apresenta nem um pouco intimidado ao trabalhar com Brad Gillis, um verdadeiro monstro da guitarra. O tecladista Eric Levy cumpre bem o seu trabalho e traz até um visual de maloqueiro semelhante ao de Alan Fitzgerald! (risos)

Entre os destaques, estão o single Growin' Up In California, a sugestiva paulada Rock N' Roll Tonite, a quase-balada End Of The Day e a grudenta Bye Bye Baby. Mas vale a pena conferir do início ao fim com o som alto, pois é um disco vibrante e notavelmente isento de fillers.

Nota 9

01. Growin- Up In California
02. Lay It On Me
03. Bye Bye Baby (Not Tonight)
04. Follow Your Heart
05. Time Of Our Lives
06. No Time To Lose Ya
07. Live For Today
08. It's Not Over
09. End Of The Day
10. Rock N' Roll Tonite
11. Say It With Love
12. L.A. No Name

Jack Blades - vocal, baixo, backing vocals
Kelly Keagy - vocal, bateria, backing vocals
Brad Gillis - guitarra, backing vocals
Joel Hoekstra - guitarra, backing vocals
Eric Levy - teclados, backing vocals

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.