Pular para o conteúdo principal

"Parecia que ia rolar"


Em entrevista ao BraveWords.com, Don Dokken falou sobre os acontecimentos recentes, que reacenderam o clima de animosidade com o guitarrista George Lynch.

Pela primeira vez desde a aparição no That Metal Show, você mencionou que deu o seu melhor para que a reunião da formação clássica acontecesse. Analisando, o Dokken evoluiu bastante em termos de unidade desde a saída de George Lynch, em 1997. A química no palco e composições entre você e o guitarrista Jon Levin foi um tremendo acréscimo para a banda. Observando agora, você acha que a recusa de Jeff Pilson em discutir a volta devido a compromissos com o Foreigner foi uma benção disfarçada?

É difícil responder. Por anos, Mick (Brown, baterista) e eu fomos contra. Finalmente aceitamos. Várias pessoas, managers, agentes, pediram que viajássemos até Phoenix, onde Jeff e George estavam. Tivemos um churrasco na casa dos empresários do Foreigner, onde um monte de pessoas da indústria musical estava presente. Todo mundo forçando a barra para que acontecesse. Cinco minutos depois de nos encontrarmos, Jeff disse que adoraria fazer isso, mas tinha compromissos até 2012 com o Foreigner. Ficamos chocados, ele poderia ter nos dito isso por email e pronto. Antes disso, já tinha ido ao estúdio dele e passado um dia. George estava lá também. Me mostraram uns riffs legais e eu fiz umas idéias de vocais. Então fomos convidados a aparecer no That Metal Show. Parecia que ia rolar, mas na noite anterior ao show, Jeff me pediu para não mencionar a reunião. Guardei o email em que ele disse isso. Então, fiquei em uma situação difícil, pois tinha que avisar a Eddie Trunk (apresentador do programa) para não trazer o assunto. Era uma situação muito desconfortável, tanto para ele quanto para mim. O resto é história. George começou a me atacar em entrevistas, dizendo que eu era o motivo pelo qual a reunião não aconteceria. Acho que algo bom aconteceu disso tudo, já que Mick estava brigado com George desde nossa segunda separação. Agora eles estão excursionando juntos no Lynch Mob e voltaram a se dar bem.

Na época do lançamento de Shadow Life, álbum que os levou a se separar de George, era notável que vinha à tona um lado mais obscuro do Dokken, com o qual os fãs não estavam acostumados.

Shadow Life, em minha opinião, foi uma tentativa de se adaptar ao som que estava em alta naquele momento. Há algumas músicas boas, mas não era bom como um todo. Definitivamente não era Dokken, nem o nosso logotipo está lá. Me recusei a colocá-lo, pois não tive muito a ver com o conteúdo, exceto as letras. É o disco favorito de Mick, então veja só. Não acho que um fã gostaria de ouvir o Van Halen soando como Motörhead ou vice-versa. Talvez algum dia eu faça algo totalmente diferente, mas usarei outro nome. Mas não soará como o Souls Of We (projeto de George Lynch).
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.