Pular para o conteúdo principal

Relevantes, mas sem disco novo


O site inglês Über Rock conduziu um bate-papo com o guitarrista do Twisted Sister, Eddie Ojeda. Confira alguns trechos:

O que você acha que mantém o Twisted Sister relevante em 2011?

É uma daquelas coisas que estamos felizes que ainda aconteça. Difícil explicar, pois nunca sabemos porque as pessoas parecem se interessar cada vez mais. Qualquer seja a razão, nos sentimos gratos pelo reconhecimento. Penso que fazemos algo único, ninguém mais faz. Então, acaba criando esse interesse, trazendo novas pessoas cada vez que tocamos.

Foi essa a motivação uma década atrás, quando a banda se reuniu? Algo como um negócio que não havia terminado?

Provavelmente isso, além do fato que estávamos quebrados! Isso também é uma motivação. Infelizmente, os acontecimentos de 11 de setembro de 2001 foi o que nos trouxe de volta e começou a reunião. Fizemos um show para os bombeiros de Nova York, ali começou a rolar a vibração. Depois disso as ofertas começaram a aparecer e vimos que poderia funcionar. Fomos retomando as atividades aos poucos. Ainda é uma grande oportunidade fazer esses festivais. Somos gratos por essa segunda chance.

Já foi discutida a possibilidade de escrever material novo?

Sim, mas no momento não é o foco. Não planejamos fazer isso, mas nunca diremos nunca, pois não sabemos o que pode rolar no futuro. Talvez façamos um single aqui, outro ali, não sei. Quando bandas antigas fazem material novo, parece que não é notado. As pessoas ainda querem ouvir a velharia. Penso nisso quando vejo grupos como o Iron Maiden e o Judas Priest executando músicas novas e a audiência ficando quieta. Aí vem algo do British Steel ou Screaming For Vengeance na seqüência e é como se todos voltassem à vida. Então, qual o sentido de se esforçar tanto para acontecer esse tipo de coisa? No caso do Twisted Sister, já faz muito tempo que não lançamos discos de músicas inéditas. Estou trabalhando em um novo álbum solo, mas em relação à banda não parece que teremos novidades, ao menos agora.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…