Pular para o conteúdo principal

Uma viagem no tempo patrocinada por intrigas


Após ter que responder mais alguns ataques do guitarrista George Lynch, Don Dokken repassou a história de tensões em um bate-papo com o Bravewords.com. A declaração repassa a história do grupo e oferece ao leitor uma verdadeira viagem aos áureos tempos do Hard Rock oitentista.

Foi sempre frustrante tentar se esquivar de responder os constantes ataques pessoais de George. Quando Breaking The Chains foi lançado na Europa, estava escrito Don Dokken no álbum, já que eu não tinha uma banda. Contratei Mick (Brown, baterista) e George para tocar no disco. Juan Croucier (Ratt) foi creditado como baixista e apareceu na foto, mas foi Peter Baltes (Accept) quem gravou. Ao voltar para os Estados Unidos, comecei a procurar por um grupo permanente. Juan já estava com o Ratt e George estava quase se tornando o guitarrista da banda de Ozzy. Cheguei a fazer um show com Warren DeMartini (também do Ratt) na guitarra. Achei que seria a formação definitiva, mas as gravadoras não mostraram muito interesse. Ficamos apenas eu e Mick.

Cliff Bernstein, que empresariava o Def Leppard, havia escutado Breaking the Chains e gostou. Nos ofereceu um show abrindo para o Mötley Crüe. Pedi que Juan me ajudasse apenas nessa data e chamei George. Graças a esse concerto, assinamos com a Elektra Records. Tom Zutaut, que trabalhava no departamento de singles, acreditou no álbum e nos deu força, assim como Cliff. Juan não ficou, pois o EP de estréia do Ratt decolou e ele ficou na banda. Mike Varney (guitarrista e fundador da Shrapnel Records, que descobriu quase toda a turma do bululu oitentista) me recomendou Jeff Pilson, que tocava em uma banda de bar com Amy Cannon, que se tornaria backing vocal do Mötley um tempo depois.


Nos ofereceram uma excursão com Blue Öyster Cult e Aldo Nova. Estava empolgado por tocar em arenas, mas tinha ressalvas quanto a George, já que não nos dávamos bem desde as gravações, mas fui convencido a mantê-lo. Jeff se encaixou perfeitamente. Eu ainda tocava guitarra base, ficamos nesse formato até Tooth and Nail, quando passei a me concentrar apenas nos vocais. Foi difícil, pois sempre toquei e cantei. Mas isso deu mais liberdade a George para se tornar o grande instrumentista que é. Fizemos grandes trabalhos juntos. Algumas pessoas acham que a tensão colaborou com isso, mas eu discordo.


Jeff nunca teve o crédito que merecia. Ele trabalhava com George nos riffs e letras, já que não conseguíamos lidar um com o outro. Mesmo com todo esse clima, nos tornamos uma banda. Eu consegui todos os contratos nos Estados Unidos e Europa, mas decidi dividir os méritos. Achei que faria com que todos ficassem felizes e acalmasse a tensão, mas nunca aconteceu. Uma pena.


Quando nos reunimos em 1995, achei que tínhamos amadurecido o suficiente para deixar isso para trás. Mas quem assistir o primeiro show da volta, registrado no DVD One Night Live, verá que estávamos com problemas óbvios. George claramente nos ignorou o tempo inteiro. Chegou a um ponto que era impossível continuar. Felizmente, Reb Beach (Winger, Whitesnake) entrou e fizemos um grande disco (Erase the Slate), com o som clássico do Dokken. O resto é história. Quando Jon Levin entrou, alguns anos mais tarde, foi a dose de energia que precisávamos. Nos damos bem, nos divertimos a cada nova apresentação. Esperamos continuar o legado.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.