Pular para o conteúdo principal

25 anos vendendo a paz


Em entrevista ao Headbang, do MSN, Dave Mustaine falou sobre o relançamento comemorativo de 25 anos do álbum Peace Sells… But Who’s Buying?

Quais as lembranças mais vivas das sessões de gravações?

Muita coisa. Estamos falando de uma banda começando a fazer dinheiro e contando com quatro viciados em heroína na formação. É incrível ouvir essas músicas. A guitarra de Chris Poland é perfeita, quase não ficando legal. Mas mixada com meu estilo criou um elemento perigoso. Escutar aqueles solos, cara, éramos realmente demais.

Atualmente há um estilo de tocar guitarra no Thrash Metal. Quando vocês estavam começando, ao mesmo tempo estavam inventando isso. Como você forjou isso?

Cresci ouvindo AC/DC, Led Zeppelin, mas também The Beatles e caras como Cat Stevens e Elton John. Era muito eclético. Penso que muito disso se deve à invasão britânica. Meu estilo de tocar veio da NWOBHM. Talvez por ter passado por uma vida horrível, indo de lugar em lugar enquanto crescia, sem saber o que fazer e acabar como um sem-teto fez com que muita dor e raiva viesse no meu som de guitarra. Ouço outras pessoas tocando e elas conseguem fazer soar com beleza. Sou incapaz de fazer isso. Parece que quando uma canção fica um pouco mais feliz, algo na minha cabeça faz com que eu pare. Não sei o motivo.

A música “Peace Sells” é a única realmente política ou social no álbum. Como acabou se tornando a faixa-título?

Realmente não sei. Provavelmente por ser a que possuía o título mais forte. A idéia foi minha. Estava sem casa, morando em um depósito onde ensaiávamos. Uma garota tinha pena de mim, que me ligava para ir à casa dela de vez em quando, me dava comida, eu tomava banho e passávamos a noite juntos. Um dia, lendo uma revista no quarto dela, falei “Vende-se a paz, mas ninguém está comprando”. Pensei que devia escrever uma música sobre aquilo. Mexi com as palavras e comecei a compor. Não tinha papel, então escrevi a letra na parede. Até hoje penso se a senhora que era dona do depósito foi esperta o suficiente para imortalizar aquele pedaço de concreto.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…