Pular para o conteúdo principal

Mötley Crüe: Primeira escolha para turnê era o Guns N’ Roses, afirma Sixx


Por Michael Cristopher

Traduzido por Nacho Belgrande

Depois de chiliques e fuxicos e um pouco do drama que já se esperava enquanto os planos eram feitos, serão os fãs que sairão ganhando na noite desse sábado 16 de julho no Susquehanna Bank Center em Canden, Nova Jérsei quando o Mötley Crüe, Poison, junto com o New York Dolls, dão sequência a uma das maiores turnês do verão estadunidense.

O site Rock Music Menu falou com o co-fundador do Crüe, NIKKI SIXX para conversar sobre a turnê, seu novo livro e como é virar uma marca – mas primeiro, ele quis deixar claro que sua banda não deveria ser colocada na mesma categoria que a cena do hair metal que assolou Los Angeles do meio dos anos 80 pra frente.

 “Aparecemos em ’81. Na verdade éramos meio punk, meio metal com um pouco de pop jogado no meio”, disse Sixx. “Nós não nos encaixávamos na cena de Los Angeles, não havia nada como nós; em nossa plateia tínhamos esses degenerados do Vale de São Fernando que estavam tentando achar a próxima banda com a qual eles pudessem se identificar porque os Dead Kennedys tinham se separado, o Fear era apenas uma sobra do que já tinha sido e não tava rolando nada em Los Angeles.”

“Estávamos mais pra algo como Van Halen misturado com New York Dolls ou Black Sabbath junto com Ramones, então quando as bandas nos seguiram, e nós fomos postos no mesmo balaio que eles, não gostamos muito.”

Isso foi na época que quanto mais alto o cabelo, mais carregada a maquilagem e mais Justas as calças, maior a chance da MTV colocar o vídeo de uma banda em alta rotação. Não foi uma surpresa quando uma faixa do Warrant aparecia nas paradas ao lado de uma música do Crüe – e isso é algo que assombra Sixx até hoje.

 “Você vê essas compilações de baladas de rock dos anos 80 e eles nos telefonam e nos querem nelas,” ele disse. “Você tá louco, caralho? É com toda essa coisa que não temos nada a ver – pra nós o lance sempre foi ater-se ao caminho original.”




Foi uma surpresa quando a turnê com o Poison foi anunciada, primeiro em um show solo de Bret Michaels, o que foi desmentido pelo empresário do Mötley, e depois novamente por Michaels em um programa de entrevistas.

 “Tudo estava indo bem, até que Bret foi à TV e anunciou a turnê quando ele sabia que ele deveria fazê-lo junto ao Mötley Crüe”, disse Sixx. “Era uma turnê do Mötley Crüe com o New York Dolls e o Poison na abertura, e isso realmente emputeceu minha banda. Nós não queríamos a turnê, não por razões pessoais, mas para manter as coisas segregadas e daí quando ele foi e assumiu a frente de tudo como se fosse ideia dele – até parece.”

 “Era ele no telefone me dizendo que queria fazer essa turnê porque a banda dele precisa de credibilidade e o Mötley Crüe tem credibilidade – isso nos irritou, porque fomos apunhalados pelas costas.”

Então pra quê se importar em fazer a turnê? Foi o resultado de uma pesquisa entre os fãs que a banda fez, disse Sixx, que levou à decisão. Meio que. O Poison foi na verdade a terceira escolha.

 “Os fãs escolheram o GUNS N’ ROSES em primeiro lugar, o DEF LEPPARD em segundo e o Poison em terceiro e nós pensamos, ‘Mesmo?’” ele disse. “Falamos com o Guns N’ Roses, falamos com o Def Leppard, falamos com o Poison que estava disponível e os outros dois não estavam. Simplesmente deu certo.”

Sixx ressalta que agora, com a empreitada rolando, ‘tudo vai bem’, especialmente porque é a plateia quem se beneficia.

“No fim das contas, o que acontece internamente, politicamente, merda desse tipo, pode ser frustrante, mas no fim o que importa é o que os fãs estão ganhando.” ele disse. “Nós sentimos que eles estão recebendo algo legítimo com o New York Dolls, nós sentimos que eles estão ganhando a over o Poison; eles têm quarto ou cinco sucessos e têm alguns excelentes covers que eles gravaram. Eles ficam com 45 a 50 minutos e estão dando aos fãs um grande show e daí ainda tem o Mötley. No fim, todos saem ganhando.”
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.