Pular para o conteúdo principal

Validando a loucura


Em entrevista ao The Guardian, Steve ‘Lips’ Kudow falou sobre a nova fase do Anvil, exaltando a relação com o produtor Sacha Gervasi.

Como é a vida no Anvil após o documentário?

Absolutamente incrível. Basicamente é um milagre. Esse é o lado legal da vida, tudo pode acontecer. Olhando para trás, as sementes foram plantadas em 1982, quando Sacha (Gervasi, diretor do filme) veio aos bastidores de um show no Marquee Club, em Londres e se apresentou como um fã de 15 anos. Imediatamente nos identificamos com ele e o convidamos para sair em turnê conosco. Lhe demos as grandes diversões da vida. Não pedimos nada em troca, apenas pensávamos que se tivéssemos 15 anos de novo, gostaríamos de ser como ele.

Quem é o público de vocês agora?

Todo mundo, desde pessoas mais velhas até garotos que aprenderam a seguir os seus sonhos. O documentário ampliou nossa audiência. O lado Heavy Metal, no fim, é apenas o pano de fundo da história. Basicamente, é uma história de interesse humano, sobre perseverança, amizade, família, tudo aquilo que todos possuem em comum. A maior parte do tempo procuramos por coisas que nos fazem ser diferentes, mas a verdade é que somos todos iguais, com sonhos, aspirações e desejos. Então, quando você vê o filme começa a compreender que Rob e eu queremos passar a mensagem que todos devem lutar pelo que amam.

É um elogio ou insulto ser marcado como o “Spinal Tap da vida real”?

Abraçamos o rótulo. Amo aquele filme. Sabíamos que a comparação viria.

Você imaginou que o filme chegaria tão longe?

No fundo da alma eu sabia. Quando recebi o e-mail de Sacha e ele falou que estava vindo para Los Angeles e faria o filme, comecei a chorar. Não era simplesmente um fã com uma câmera amadora. Esse cara se tornou um roteirista de Hollywood, trabalhando com Steven Spielberg. Isso iria validar meus 30 anos de loucura!
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Músico do Ghost comenta homenagem a amigo suicida

“He Is”, faixa do álbum Meliora, do Ghost, é uma homenagem a Selim Lemouchi, líder da banda holandesa The Devil’s Blood. Ele cometeu suicídio em março de 2014, aos 33 anos. “Vivíamos longe, mas sempre que nos encontrávamos era uma diversão. Essa música já existia em demos, mas nunca tínhamos acertado o aspecto lírico. Após a morte de Selim, tudo se acertou. Ela fala sobre a fé em um grande além”, disse um dos músicos da banda ao Loudwire.