Pular para o conteúdo principal

A genialidade em sua mais pura definição!


Alice Cooper – Welcome 2 My Nightmare [2011]

Resgatar um clássico sempre é tarefa complicada. Ao longo da história vimos bandas clássicas dar com os burros n’água nesse tipo de tentativa, que sempre soou um tanto quanto oportunista. Em seu três álbuns anteriores, Alice Cooper já se aproximava da sonoridade dos primórdios de sua carreira. Agora, resolve dar prosseguimento à história de seu primeiro lançamento solo, adaptando a temática aos tempos atuais. Para ajudá-lo, o mesmo produtor de 1975, o lendário Bob Ezrin. A volta da parceria acentuou o lado dramático das composições de Vincent Furnier. Com isso, trouxe uma variação maior dentro da proposta sonora. Portanto, se você espera um disco puramente Hard Rock, a chance de decepção existe.

O início com “I Am Made Of You” transporta o ouvinte ao climático e esquizofrênico mundo de Steven na atualidade. As variações e o andamento são arrebatadores, com destaque inevitável para as guitarras. O Rock and Roll toma conta em “Caffeine”, relembrando os saudosos tempos de Killer e adjacentes. A curta “The Nightmare Returns” abre caminho para “A Runaway Train” e nos deixa embasbacados em notar como a parceria Cooper/Ezrin consegue envolver a audiência na história. Podemos imaginar o trem rodando enquanto escutamos a música, que tem até mesmo um clima cinquentista em sua pegada.

Eis que, sem aviso prévio, o trem faz parada estratégica na Broadway. Ao menos é a impressão ao começar “Last Man On Earth”, que vai lhe fazer imaginar Tia Alice comandando uma banda de boteco dos tempos em que a avó de Elvis era mocinha. Tudo meramente representativo, é claro. O começo acústico em “The Congregation” contrasta com a explosão quando entram bateria e guitarras. Proposital ou não, o refrão é no melhor estilo “School’s Out”. Na sequência, o já conhecido single “I’ll Bite Your Face Off” e sua declarada influência stoneana. Com o sugestivo nome de “Disco Bloodbath Boogie Fever”, a próxima faixa tira um sarro da era Disco com o sarcasmo que só Cooper poderia nos oferecer. E sim, dá para dançar numa boa, até o meio, quando ela se transforma em um Heavy dos bons.

A intro de “Ghouls Gone Wild” nos transporta novamente até a sonoridade clássica do Alice Cooper Group, lembrando “Under My Wheels” com maestria. “Something To Remember Me By” resgata os melhores momentos do Alice baladeiro, com todo o sentimento singular de suas músicas mais lentas. O Hard dos primórdios em “When Hell Comes Home” explora mais uma vez a face maquiavélica do protagonista. Eis que vem o momento mais polêmico: a participação de Ke$ha em “What Baby Wants”. E a popstar cumpre seu papel de demônio com total brilhantismo, para desespero de quem torceu para dar errado. Aliás, os adeptos da fase oitentista podem ter essa como a preferida do play.

Ao vermos o nome “I Gotta Get Out Of Here” na próxima do playlist, já nos lembramos de “Ballad Of Dwight Fry”. Mas aqui o clima é bem menos denso, em um Rock gostoso, embalado por violões de primeira, em mais um momento que poderia ter saído de alguma passagem iluminada de Jagger e Richards em seus anos dourados. Fechando as cortinas desse espetáculo, “The Underture”, que revisita em rápidas passagens o clássico do passado com novos arranjos simplesmente fenomenais. Uma incrível maneira de dar o toque final, funcionando literalmente como se fosse o encerramento de um filme.

Tal qual sua obra precursora, Welcome 2 My Nightmare não deve ser encarado como um trabalho convencional, ou não será absorvido em sua integralidade. Mais que um álbum de Rock, é o atestado de genialidade a duas das mais brilhantes mentes da história da música: Alice Cooper e Bob Ezrin. E um daqueles momentos que não podem ser repetidos toda hora. Abra sua mente e aproveite a viagem ao mundo maluco de Vincent Furnier em um dos melhores discos lançados em sua rica história!

Nota 10

Alice Cooper (vocals)
Damon Johnson (guitars)
Michael Bruce (guitars, keyboards)
Steve Hunter (guitars)
Tommy Henriksen (guitars)
Chuck Garric (bass)
Dennis Dunaway (bass)
Glen Sobel (drums)
Neal Smith (drums, percussion)

01. I Am Made Of You
02. Caffeine
03. The Nightmare Returns
04. A Runaway Train
05. Last Man On Earth
06. The Congregation
07. I’ll Bite Your Face Off
08. Disco Bloodbath Boogie Fever
09. Ghouls Gone Wild
10. Something To Remember Me By
11. When Hell Comes Home
12. What Baby Wants
13. I Gotta Get Outta Here
14. The Underture

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.