Pular para o conteúdo principal

Cabeçote: Robert Plant recusou US$ 800 mi para turnê com Led Zeppelin – e eu o entendo

 robertplant-600-1382116969

Parece incompreensível que Robert Plant, o vocalista mais empata-foda da história, tenha recusado a se fazer uma turnê de despedida do Led Zeppelin, por um contrato de US$ 800 milhões – valor livre de impostos que seria dividido entre ele, o guitarrista Jimmy Page e o baixista John Paul Jones. Para nossa realidade, o valor gira em torno de R$ 2 bilhões. Isso mesmo. Pense no Show do Milhão sendo vencido por 2 mil pessoas. É por aí.
Plant supostamente teria rasgado o contrato na frente dos empresários. A assessoria nega, mas sabe-se lá o que se passa na mente do cantor. Muitos não entendem a opção de Robert Plant, o que demonstra que falta uma pitada de relativização aí.
Sinceramente, não consigo nem imaginar o que eu faria com cerca de US$ 266 milhões (a quantia que daria caso dividido por três). Mas sou um zé ruela, que optou pelo jornalismo enquanto profissão e enfrenta os perrengues financeiros diariamente. A realidade de milionário é diferente e muito distante para mim.
Robert Plant, por vez, tem desculpas de peso em sua decisão. A primeira é que ele já é um milionário. Estima-se que, só com o Led Zeppelin, ele tenha vendido de 200 a 300 milhões de discos por todo o mundo. Caso cada álbum tenha custado, em média, US$ 10, não é absurdo pensar que Plant já tenha, nos bolsos, uma quantia semelhante à do contrato oferecido agora. Fora dezenas outras fontes de renda que o cantor provavelmente teve ou tem, como as turnês que fez com o Zeppelin e que até hoje faz em carreira solo.
A segunda é que Robert Plant já está velho. Tudo bem, o contrato abrangia apenas 35 shows. Mas Plant tem 66 anos. Ele aceitaria um monte de grana a qual ele não vai estar vivo para gastar – até porque ainda deve ter muita verdinha acumulada na fila -, faria uma turnê em que um bando de crítico zé-ruela (como eu) detonaria o seu já desgastado poderio vocal e terminaria com o ego machucado – algo tão importante quanto grana para rockstars. O DVD “Celebration Day”, registrado em 2007, é suficiente para mostrar aos fãs que o vocalista não tem esse fôlego.
Aparentemente, Robert Plant só quer continuar a fazer o próprio som, ser lembrado pelo que faz e não exatamente pelo que fez e se livrar de qualquer briga ou desgaste que envolva grana. É como voltar a ser empregado de Jimmy Page quando, na verdade, ele tem a própria empresa, que opera nos conformes, apesar do poder reduzido. Uma análise fria me permite concluir que eu faria o mesmo que Plant, caso fosse ele.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Músico do Ghost comenta homenagem a amigo suicida

“He Is”, faixa do álbum Meliora, do Ghost, é uma homenagem a Selim Lemouchi, líder da banda holandesa The Devil’s Blood. Ele cometeu suicídio em março de 2014, aos 33 anos. “Vivíamos longe, mas sempre que nos encontrávamos era uma diversão. Essa música já existia em demos, mas nunca tínhamos acertado o aspecto lírico. Após a morte de Selim, tudo se acertou. Ela fala sobre a fé em um grande além”, disse um dos músicos da banda ao Loudwire.