Pular para o conteúdo principal

Cabeçote: Robert Plant recusou US$ 800 mi para turnê com Led Zeppelin – e eu o entendo

 robertplant-600-1382116969

Parece incompreensível que Robert Plant, o vocalista mais empata-foda da história, tenha recusado a se fazer uma turnê de despedida do Led Zeppelin, por um contrato de US$ 800 milhões – valor livre de impostos que seria dividido entre ele, o guitarrista Jimmy Page e o baixista John Paul Jones. Para nossa realidade, o valor gira em torno de R$ 2 bilhões. Isso mesmo. Pense no Show do Milhão sendo vencido por 2 mil pessoas. É por aí.
Plant supostamente teria rasgado o contrato na frente dos empresários. A assessoria nega, mas sabe-se lá o que se passa na mente do cantor. Muitos não entendem a opção de Robert Plant, o que demonstra que falta uma pitada de relativização aí.
Sinceramente, não consigo nem imaginar o que eu faria com cerca de US$ 266 milhões (a quantia que daria caso dividido por três). Mas sou um zé ruela, que optou pelo jornalismo enquanto profissão e enfrenta os perrengues financeiros diariamente. A realidade de milionário é diferente e muito distante para mim.
Robert Plant, por vez, tem desculpas de peso em sua decisão. A primeira é que ele já é um milionário. Estima-se que, só com o Led Zeppelin, ele tenha vendido de 200 a 300 milhões de discos por todo o mundo. Caso cada álbum tenha custado, em média, US$ 10, não é absurdo pensar que Plant já tenha, nos bolsos, uma quantia semelhante à do contrato oferecido agora. Fora dezenas outras fontes de renda que o cantor provavelmente teve ou tem, como as turnês que fez com o Zeppelin e que até hoje faz em carreira solo.
A segunda é que Robert Plant já está velho. Tudo bem, o contrato abrangia apenas 35 shows. Mas Plant tem 66 anos. Ele aceitaria um monte de grana a qual ele não vai estar vivo para gastar – até porque ainda deve ter muita verdinha acumulada na fila -, faria uma turnê em que um bando de crítico zé-ruela (como eu) detonaria o seu já desgastado poderio vocal e terminaria com o ego machucado – algo tão importante quanto grana para rockstars. O DVD “Celebration Day”, registrado em 2007, é suficiente para mostrar aos fãs que o vocalista não tem esse fôlego.
Aparentemente, Robert Plant só quer continuar a fazer o próprio som, ser lembrado pelo que faz e não exatamente pelo que fez e se livrar de qualquer briga ou desgaste que envolva grana. É como voltar a ser empregado de Jimmy Page quando, na verdade, ele tem a própria empresa, que opera nos conformes, apesar do poder reduzido. Uma análise fria me permite concluir que eu faria o mesmo que Plant, caso fosse ele.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…