Pular para o conteúdo principal

King Diamond: quando o Heavy Metal encontra a Paleontologia

 

Um encontro entre um passado distante e o presente: um verme de meio metro de comprimento, possuidor de mandíbulas mortais e que viveu há 420 milhões de anos, e o paleontólogo Mats E. Eriksson (da Lund University) que descobriu seus impressionantes restos mortais nunca vistos antes. Sendo um grande fã da lenda do metal escandinavo King Diamond, Eriksson nomeou a espécie de Kingnites Diamondi.
Eriksson compôs uma letra sobre o organismo e contou com a participação do vocalista Tomas “Tomba” Linderberg da banda At the Gates, da banda americana de black metal industrial Invertia e de um dos grandes talentos da Alemanha da música experimental e dark ambient, Seetyca, na gravação. A letra da música se baseia em seu artigo cientifico sobre o poliqueto Kingnites diamondi, e conta a história a partir de uma narrativa do ponto de visto do próprio animal. A história se foca no possível estilo de vida do organismo, de fato um “Deep Time Predator” (nome original da música), e seu sepultamento, o processo de fossilização e depois a descoberta pelos cientistas do presente. Com fã de heavy metal que sempre foi, Eriksson optou por dar um ar sombrio à letra, com pegadas metálicas e nomeando o fóssil tudo focado em exaltar o legado musical de King Diamond.
Além da versão original da música “Deep Time Predator” da banda Invertia, o vocalista Tomas

Tompa gravou uma segunda faixa onde ele lê o resumo do artigo científico de Eriksson, tendo a versão original remixada pelo Submerged e contando com um fundo de Black metal experimental, com uma atmosfera produzida pelo Zerfallmensch. Uma versão death metal também foi gravada por Tomas Ansersson da banda Denata.
Este projeto foi uma colaboração direta com o professor Mats E. Eriksson, descobridor do fóssil, e a Science Slam Sonic Explores (SSSE), que é uma iniciativa coletiva de músicos e pesquisadores, liderada do lado científico pelo geólogo Achim G. Reisdorf (University of Basel) e do lado audiovisual pelo New York’s Submerged (Kurt Gluck), chefe do selo Ohm Resistance. O SSSE foi formado em 2013 para unir os cientistas e pesquisadores com músicos, e combinar seus talentos para criar uma nova forma de som e arte visual – se especializando em levar a linguagem cientifica complexa a um público mais amplo e de forma mais acessível, complementada com música e arte visual.

O SSSE já havia trabalhado antes com o paleontólogo norueguês Jørn Hurum, descobridor do fóssil de primata Ida (Darwinius masillae).

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…