Pular para o conteúdo principal

Laranja Mecânica foi o primeiro filme punk rock

 
LARANJA MECÂNICA

Por Anselmo Teles

Lançado em 1962, é o decimo oitavo livro do escritor inglês Anthony Burgess (25 de fevereiro 1917 – 22 de novembro de 1993). Uma distopia, com narração em primeira pessoa, que conta a história de Alexander Delarge (Alex), um delinquente (admirador de Beethoven) que após encontrar seus “droogs” no “Korova Milk Bar”, sai para a noite em uma Londres futurista praticando a “ultraviolência” regado a “moloko velocett”. Por ser um clássico da literatura é fácil encontrar vários textos, vídeos, críticas, análises, explicações e teorias das mais diversas sobre essa obra literária. Por isso, ao invés de mais do mesmo, vou indicar quais referências interessantes e divertidas pude tirar dessa obra.

 
Vocabulário Nadsat
Grande “sacada” do autor foi “criar” esse dialeto que é um misto de “russo” com linguajar das ruas de Londres. Com isso a história fica atemporal não estabelecendo nenhum período específico evitando uma narrativa datada. É divertido decorar as palavras do glossário no fim do livro.

Condicionamento Clássico
“O cão saliva por que vê seu dono trazendo comida, por tanto sabe que quando seu dono está chegando pode estar trazendo comida, por tanto seu estimulo automático é salivar”. Não sou psicólogo, nem tenho a pretensão de discorrer sobre psicologia e psiquiatria, mas as questões comportamentais abordadas no livro são temas interessantes para pesquisas. Burgess tinha na narrativa também certa crítica a utilização do behaviorismo em clínicas, consultórios e prisões.

“A todo estimulo enviado ao cérebro humano pelos sentidos, há uma resposta, que normalmente é uma ação” - Ivan P. Pavlov (1849 – 1936).

Quando preso, Alex é usado como cobaia em uma experiência chamada “Método Ludovico” criado pelo Estado e destinado a refrear os impulsos destrutivos dos delinquentes. O problema é que acaba também com a capacidade de defesa do paciente, deixando-o vulnerável quando é devolvido a sociedade.

Para pensar: Método de controle comportamental mantém certo domínio sobre o indivíduo, do jeito que o Estado quer? Acho que temos vários exemplos para aprofundar sobe o tema aqui mesmo nesse país.

 
FILME
Em 1965 Andy Warhol dirigiu um filme experimental chamado Vinyl baseado no livro de Burgess, mas foi no início dos anos 70 que o mundo virou de “pernas pro ar”.  Inegável que a atmosfera, a narrativa e o figurino criados no filme de 1971 tiveram um impacto devastador na Cultura Pop mundial. Sem dúvida esse é um dos mais emblemáticos filmes do diretor americano Stanley Kubrick (26 de julho de 1928 – 7 de março de 1999). Principalmente os uniformes brancos dos “droogs”. O chapéu “coco”, cílios postiços, coturnos, idealizados para a telona pela figurinista Milena Canonero que são referências para vários artistas até hoje, nos mais diversos segmentos.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.