Pular para o conteúdo principal

Laranja Mecânica foi o primeiro filme punk rock

 
LARANJA MECÂNICA

Por Anselmo Teles

Lançado em 1962, é o decimo oitavo livro do escritor inglês Anthony Burgess (25 de fevereiro 1917 – 22 de novembro de 1993). Uma distopia, com narração em primeira pessoa, que conta a história de Alexander Delarge (Alex), um delinquente (admirador de Beethoven) que após encontrar seus “droogs” no “Korova Milk Bar”, sai para a noite em uma Londres futurista praticando a “ultraviolência” regado a “moloko velocett”. Por ser um clássico da literatura é fácil encontrar vários textos, vídeos, críticas, análises, explicações e teorias das mais diversas sobre essa obra literária. Por isso, ao invés de mais do mesmo, vou indicar quais referências interessantes e divertidas pude tirar dessa obra.

 
Vocabulário Nadsat
Grande “sacada” do autor foi “criar” esse dialeto que é um misto de “russo” com linguajar das ruas de Londres. Com isso a história fica atemporal não estabelecendo nenhum período específico evitando uma narrativa datada. É divertido decorar as palavras do glossário no fim do livro.

Condicionamento Clássico
“O cão saliva por que vê seu dono trazendo comida, por tanto sabe que quando seu dono está chegando pode estar trazendo comida, por tanto seu estimulo automático é salivar”. Não sou psicólogo, nem tenho a pretensão de discorrer sobre psicologia e psiquiatria, mas as questões comportamentais abordadas no livro são temas interessantes para pesquisas. Burgess tinha na narrativa também certa crítica a utilização do behaviorismo em clínicas, consultórios e prisões.

“A todo estimulo enviado ao cérebro humano pelos sentidos, há uma resposta, que normalmente é uma ação” - Ivan P. Pavlov (1849 – 1936).

Quando preso, Alex é usado como cobaia em uma experiência chamada “Método Ludovico” criado pelo Estado e destinado a refrear os impulsos destrutivos dos delinquentes. O problema é que acaba também com a capacidade de defesa do paciente, deixando-o vulnerável quando é devolvido a sociedade.

Para pensar: Método de controle comportamental mantém certo domínio sobre o indivíduo, do jeito que o Estado quer? Acho que temos vários exemplos para aprofundar sobe o tema aqui mesmo nesse país.

 
FILME
Em 1965 Andy Warhol dirigiu um filme experimental chamado Vinyl baseado no livro de Burgess, mas foi no início dos anos 70 que o mundo virou de “pernas pro ar”.  Inegável que a atmosfera, a narrativa e o figurino criados no filme de 1971 tiveram um impacto devastador na Cultura Pop mundial. Sem dúvida esse é um dos mais emblemáticos filmes do diretor americano Stanley Kubrick (26 de julho de 1928 – 7 de março de 1999). Principalmente os uniformes brancos dos “droogs”. O chapéu “coco”, cílios postiços, coturnos, idealizados para a telona pela figurinista Milena Canonero que são referências para vários artistas até hoje, nos mais diversos segmentos.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Músico do Ghost comenta homenagem a amigo suicida

“He Is”, faixa do álbum Meliora, do Ghost, é uma homenagem a Selim Lemouchi, líder da banda holandesa The Devil’s Blood. Ele cometeu suicídio em março de 2014, aos 33 anos. “Vivíamos longe, mas sempre que nos encontrávamos era uma diversão. Essa música já existia em demos, mas nunca tínhamos acertado o aspecto lírico. Após a morte de Selim, tudo se acertou. Ela fala sobre a fé em um grande além”, disse um dos músicos da banda ao Loudwire.