Pular para o conteúdo principal

Paul Stanley dá uma geral nos clássicos do KISS



Prestes a iniciar sua nova tour pela Europa com o KISS, Paul Stanley foi convidado pela Classic Rock a tecer breves comentários sobre algumas músicas da historia da banda.

Rock And Roll All Nite: Ela é incrível. Quando a tocamos ao vivo, traz aquele sentimento de euforia e abandono em meio ao público, como deve ser. Resume a filosofia e o ponto de vista em comum entre a banda e os fãs.

Detroit Rock City: Sempre acreditei que álbuns devem começar com uma música que captura o espírito do que virá a seguir. É o que ela significa para Destroyer.

Tonight You Belong To Me: Não estava competindo com ninguém à época dos álbuns solo, a não ser comigo mesmo. Gosto de músicas que começam com intro acústica antes do grande estouro. Já havia usado essa estrutura em “I Want You” e “Black Diamond”.

I Was Made For Lovin’ You: Veio em uma época em que estávamos meio perdidos. Estávamos preocupados em ser aceitos. Não soou como eu imaginava, mas se tornou um hit mundial. Porém, entendo que alguns não gostem.

Shandi: Ela nasceu em um violão de 12 cordas. Fala sobre uma daquelas relações que continuam, mesmo sabendo que já devia ter acabado. Era hora de dizer adeus ao invés de boa noite, mesmo assim você segue.

I: Não é uma das minhas preferidas. Gene quis criar um hino, mas soa comercial demais, não tem profundidade. Não entra no meu Top 10 das composições dele.

Lick It Up: Amo esta música. Não se tornou um clássico do dia para a noite. Tem uma estrutura muito legal. Acredito que alguns sons de Sonic Boom e Monster passarão pelo mesmo processo no futuro.

Crazy Crazy Nights: É simples e celebra o que somos. Interessante que Brian May (Queen) já me disse que é sua favorita. Tenho muito orgulho dela.

Modern Day Delilah: É uma super música. A escutei em um evento, por coincidência, semana passada e fiquei pensando em como é boa. Foi importante lançá-la antes de Sonic Boom e mostrar que continuávamos vivos.

Hell Or Hallelujah: Tocamos todas as noites. Amo-a. Possui todos os elementos do que verdadeiramente significa o KISS.

por João Renato Alves
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.