Pular para o conteúdo principal

Paul Stanley dá uma geral nos clássicos do KISS



Prestes a iniciar sua nova tour pela Europa com o KISS, Paul Stanley foi convidado pela Classic Rock a tecer breves comentários sobre algumas músicas da historia da banda.

Rock And Roll All Nite: Ela é incrível. Quando a tocamos ao vivo, traz aquele sentimento de euforia e abandono em meio ao público, como deve ser. Resume a filosofia e o ponto de vista em comum entre a banda e os fãs.

Detroit Rock City: Sempre acreditei que álbuns devem começar com uma música que captura o espírito do que virá a seguir. É o que ela significa para Destroyer.

Tonight You Belong To Me: Não estava competindo com ninguém à época dos álbuns solo, a não ser comigo mesmo. Gosto de músicas que começam com intro acústica antes do grande estouro. Já havia usado essa estrutura em “I Want You” e “Black Diamond”.

I Was Made For Lovin’ You: Veio em uma época em que estávamos meio perdidos. Estávamos preocupados em ser aceitos. Não soou como eu imaginava, mas se tornou um hit mundial. Porém, entendo que alguns não gostem.

Shandi: Ela nasceu em um violão de 12 cordas. Fala sobre uma daquelas relações que continuam, mesmo sabendo que já devia ter acabado. Era hora de dizer adeus ao invés de boa noite, mesmo assim você segue.

I: Não é uma das minhas preferidas. Gene quis criar um hino, mas soa comercial demais, não tem profundidade. Não entra no meu Top 10 das composições dele.

Lick It Up: Amo esta música. Não se tornou um clássico do dia para a noite. Tem uma estrutura muito legal. Acredito que alguns sons de Sonic Boom e Monster passarão pelo mesmo processo no futuro.

Crazy Crazy Nights: É simples e celebra o que somos. Interessante que Brian May (Queen) já me disse que é sua favorita. Tenho muito orgulho dela.

Modern Day Delilah: É uma super música. A escutei em um evento, por coincidência, semana passada e fiquei pensando em como é boa. Foi importante lançá-la antes de Sonic Boom e mostrar que continuávamos vivos.

Hell Or Hallelujah: Tocamos todas as noites. Amo-a. Possui todos os elementos do que verdadeiramente significa o KISS.

por João Renato Alves
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…