Pular para o conteúdo principal

Dark Avenger: profissionalismo e dedicação acima de tudo


Recentemente a banda Dark Avenger se apresentou em Sorocaba (SP) e no festival "Roça 'n' Roll", em Varginha (MG). Os shows foram um sucesso e o grupo saiu fortalecido com os fãs e a crítica especializada. Só que um fato em especial passou despercebido pela maioria das pessoas e que precisa ser lembrado e passado para frente: o profissionalismo e dedicação da banda com os fãs foi absurda o tempo todo, sem nenhum tipo de reclamação.

Uma semana antes do show de Sorocaba (SP), que ocorreu no dia 5 de junho, o guitarrista e produtor Glauber Oliveira rompeu os ligamentos da perna direita após cair de forma acidental em uma reunião de família. Ele poderia simplesmente ter cancelado a apresentação ou enviado algum substituto para tocar em seu lugar, mas não fez isso, pelo contrário, viajou com a banda sem autorização médica e fez as apresentações com muita raça.

O músico em nenhum momento fez corpo mole com a situação, ao contrário, em certos momentos até brincava quando era carregado pela produção e seus colegas de banda por um carrinho de malas do hotel. “Eu praticamente briguei com meu médico para ele tirar o gesso e conseguir viajar com uma tala de proteção na perna. Não queria que os fãs do Dark Avenger se decepcionassem comigo e com a banda. De todo modo, foi um momento único de minha carreira e que uniu ainda mais a banda e os fãs. Era minha obrigação fazer isso por eles”, conta Glauber Oliveira.

Após viajar seis horas dentro de uma van, o músico ainda tocou sentado em uma cadeira de plástico no festival "Roça 'n' Roll", algo que poucos fariam. "Não ligo para certas coisas que alguns músicos vivem propagando por aí. O primordial é fazer o melhor no palco e dar aquilo que os fãs querem, que são as músicas do Dark Avenger em sua plenitude e melhor forma", finaliza o guitarrista.

SUPERAÇÃO

Além do guitarrista Glauber Oliveira, outro integrante do Dark Avenger passou por uma superação ainda maior nestes anos. Trata-se de nada mais, nada menos, que o vocalista Mario Linhares. Para quem não sabe, Mario descobriu há dois anos que tinha câncer e precisava de cirurgia urgente – o tumor detectado no vocalista estava dentro da coluna vertebral. Só que a banda tinha um grande show marcado em São Paulo, no dia 15 de março de 2014, na Clash Club, ao lado do Pastore e Zaltana. Contrariando ordens médicos, Mario Linhares fez a apresentação e encantou o público.

"Lembro como se fosse hoje desta apresentação na Clash Club. Fiz o show sob efeito de vários remédios muito fortes. Pensei comigo mesmo, se este seria meu último show na carreira, que fosse o melhor de todos. Dei tudo em cima do palco, fiz meu melhor e saí carregado pelos fãs. Não aguentava andar direito por conta das dores", relembra o vocalista Mario Linhares.

Após este evento, o músico fez uma cirurgia complicadíssima em Brasília e graças aos excelentes médicos do Hospital Sarah Kubitschek venceu o câncer. Só que a recuperação de uma doença destas não é nada fácil. Até hoje, o músico sente dores nas costas e pernas, com dificuldades inclusive para agachar. "Sempre em todo show que me apresento, dependo de alguns remédios para diminuir as dores e fazer o show completo. Faço isso pelos fãs, que sempre me ajudaram nos momentos mais complicados da minha vida. Os fãs são tudo na carreira de um artista e sou grato por considerar todos meus amigos", finaliza.

Para contratar uma apresentação do Dark Avenger em sua cidade entre em contato nos e-mails thiagormauro@gmail.com e talktodark@gmail.com.

O Dark Avenger está em fase de pré-produção do novo álbum The Beloved Bones. A previsão de lançamento é para o primeiro semestre de 2016. Mais detalhes serão revelados em breve.

Line-up – Dark Avenger:

Mario Linhares (vocal)
Gustavo Magalhães (baixo)
Hugo Santiago (guitarras)
Glauber Oliveira (guitarras)
Anderson Soares (bateria)
Vinicius Sodré Maluly (teclados)

Discografia:

Dark Avenger (1995)
Tales of Avalon: The Terror (2001)
X Dark Years (2003)
Alive In The Dark (2005)
Tales of Avalon: The Lament (2013)

Informações:
www.facebook.com/darkavengerofficial
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…