Pular para o conteúdo principal

Van Halen encerra turnê mostrando vigor e empolgação




O histórico Hollywood Bowl, em Los Angeles, foi o palco escolhido pelo Van Halen para encerrar sua turnê norte americana de verão e outono de 2015, iniciada em julho. Na última sexta-feira, 2 de outubro, aconteceu o primeiro show das duas noites agendadas.

Inaugurado em 1922, o Hollywood Bowl é surpreendentemente moderno, oferecendo escadas rolantes, muitas lojas e restaurantes aos visitantes, além de várias telas de led exibindo futuras atrações e até transmitindo ao vivo o show de abertura (de Kenny Wayne Shepherd Band, como em toda a turnê). Tudo isso resultando num eficiente sistema para a entrada e a saída do público.

Nessa tour, o Van Halen deixou de lado o gigantismo do arena rock, concentrando as apresentações nas performances dos músicos e em apenas alguns jogos de luzes e uma tela de lâmpadas amarelas no fundo do palco.

Por isso, a abertura do show aturdiu a plateia ao trazer apenas o baterista Alex Van Halen atacando seus bumbos e pratos e o restante da banda entrando logo em seguida. Era “Light Up The Sky”, que encontrou um público ainda morno, de pé, mas estático, sem ainda cantar junto as letras.

A agitação começou mesmo só com “Everybody Wants Some!”, após “Runnin’ With The Devil” e “Romeo Delight” esquentarem aos poucos os presentes. Dave Lee Roth trocava alguma peça de figurino quase que a cada música, o que se tornou uma constante durante toda a apresentação. E, nisso, usou blazer com brilho, boné, agasalho com capa, lenços, enfim tudo o que a imaginação do elétrico vocalista sugeriu.
Nesta noite, “She’s The Woman” foi a única canção do último disco do Van Halen, “A Different Kind Of Truth”. Apesar de já se completarem três anos desde seu lançamento, a recepção do público foi fria para a música, quase ninguém agitando durante sua execução.

No início da turnê, “China Town”, do mesmo disco, também estava no set list, mas tanto essa quanto “In a Simple Rhyme”, do “Women And Children First” (1980), foram limadas do repertório, sem serem substituídas, o que deixou o show com menos de duas horas de duração.
Em seu momento solo, o baterista Alex Van Halen emprega samplers para acompanhar os ritmos, ideia iniciada com os pioneiros Cozy Powell e Neil Peart, e hoje empregada por muitos. A técnica apurada de AVH, como mostrada nesse momento, desafia os ouvidos para se entender o que ele está tocando.

Edward Van Halen estava bem solto e se movimentando bastante, tomando a frente do palco em alguns momentos, como em “Little Guitars”. Ele e Lee Roth repetiram algumas de suas posturas clássicas.

O guitarrista pulou de lado com as pernas chutando para frente e para trás, marcou o tempo com o pé esquerdo enquanto tocava e empunhou seu instrumento com o braço da guitarra voltado para cima. O vocalista abriu as pernas em espacate, chutou o ar e saltou para o alto abrindo as pernas.
Lee Roth alongou bastante a duração de “Dance The Night Away”, ao contar piadas, chamar a banda para tocar uma rumba, ensinar passos de dança e, ainda, tirar um sarro da posição de “double  Jesus” de Bono, do U2.

Depois, ainda sentaria numa cadeira, para tocar gaita e contar histórias da Sunset Strip, região de Los Angeles, onde a banda tocou muitas vezes no início da carreira. Nem todos da plateia curtiram esses momentos, mas os que reclamaram eram uma minoria. De qualquer forma, o vocalista pôde mostrar seu talento ao cantar “Ice Cream Man” ao estilo Elvis Presley.

Set list:
1             Light Up the Sky
2             Runnin' With the Devil
3             Romeo Delight
4             Everybody Wants Some!!
5             Drop Dead Legs
6             Feel Your Love Tonight
7             Somebody Get Me a Doctor
8             She's the Woman
9             I'll Wait
10           Drum Solo
11           Little Guitars
12           Dance the Night Away
13           Beautiful Girls
14           Women in Love
15           Hot for Teacher
16           Dirty Movies
17           Ice Cream Man
18           Unchained
19           Ain't Talkin' 'Bout Love
20           Guitar Solo
21           You Really Got Me
22           Panama
23           Jump
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Músico do Ghost comenta homenagem a amigo suicida

“He Is”, faixa do álbum Meliora, do Ghost, é uma homenagem a Selim Lemouchi, líder da banda holandesa The Devil’s Blood. Ele cometeu suicídio em março de 2014, aos 33 anos. “Vivíamos longe, mas sempre que nos encontrávamos era uma diversão. Essa música já existia em demos, mas nunca tínhamos acertado o aspecto lírico. Após a morte de Selim, tudo se acertou. Ela fala sobre a fé em um grande além”, disse um dos músicos da banda ao Loudwire.