Pular para o conteúdo principal

Van Halen encerra turnê mostrando vigor e empolgação




O histórico Hollywood Bowl, em Los Angeles, foi o palco escolhido pelo Van Halen para encerrar sua turnê norte americana de verão e outono de 2015, iniciada em julho. Na última sexta-feira, 2 de outubro, aconteceu o primeiro show das duas noites agendadas.

Inaugurado em 1922, o Hollywood Bowl é surpreendentemente moderno, oferecendo escadas rolantes, muitas lojas e restaurantes aos visitantes, além de várias telas de led exibindo futuras atrações e até transmitindo ao vivo o show de abertura (de Kenny Wayne Shepherd Band, como em toda a turnê). Tudo isso resultando num eficiente sistema para a entrada e a saída do público.

Nessa tour, o Van Halen deixou de lado o gigantismo do arena rock, concentrando as apresentações nas performances dos músicos e em apenas alguns jogos de luzes e uma tela de lâmpadas amarelas no fundo do palco.

Por isso, a abertura do show aturdiu a plateia ao trazer apenas o baterista Alex Van Halen atacando seus bumbos e pratos e o restante da banda entrando logo em seguida. Era “Light Up The Sky”, que encontrou um público ainda morno, de pé, mas estático, sem ainda cantar junto as letras.

A agitação começou mesmo só com “Everybody Wants Some!”, após “Runnin’ With The Devil” e “Romeo Delight” esquentarem aos poucos os presentes. Dave Lee Roth trocava alguma peça de figurino quase que a cada música, o que se tornou uma constante durante toda a apresentação. E, nisso, usou blazer com brilho, boné, agasalho com capa, lenços, enfim tudo o que a imaginação do elétrico vocalista sugeriu.
Nesta noite, “She’s The Woman” foi a única canção do último disco do Van Halen, “A Different Kind Of Truth”. Apesar de já se completarem três anos desde seu lançamento, a recepção do público foi fria para a música, quase ninguém agitando durante sua execução.

No início da turnê, “China Town”, do mesmo disco, também estava no set list, mas tanto essa quanto “In a Simple Rhyme”, do “Women And Children First” (1980), foram limadas do repertório, sem serem substituídas, o que deixou o show com menos de duas horas de duração.
Em seu momento solo, o baterista Alex Van Halen emprega samplers para acompanhar os ritmos, ideia iniciada com os pioneiros Cozy Powell e Neil Peart, e hoje empregada por muitos. A técnica apurada de AVH, como mostrada nesse momento, desafia os ouvidos para se entender o que ele está tocando.

Edward Van Halen estava bem solto e se movimentando bastante, tomando a frente do palco em alguns momentos, como em “Little Guitars”. Ele e Lee Roth repetiram algumas de suas posturas clássicas.

O guitarrista pulou de lado com as pernas chutando para frente e para trás, marcou o tempo com o pé esquerdo enquanto tocava e empunhou seu instrumento com o braço da guitarra voltado para cima. O vocalista abriu as pernas em espacate, chutou o ar e saltou para o alto abrindo as pernas.
Lee Roth alongou bastante a duração de “Dance The Night Away”, ao contar piadas, chamar a banda para tocar uma rumba, ensinar passos de dança e, ainda, tirar um sarro da posição de “double  Jesus” de Bono, do U2.

Depois, ainda sentaria numa cadeira, para tocar gaita e contar histórias da Sunset Strip, região de Los Angeles, onde a banda tocou muitas vezes no início da carreira. Nem todos da plateia curtiram esses momentos, mas os que reclamaram eram uma minoria. De qualquer forma, o vocalista pôde mostrar seu talento ao cantar “Ice Cream Man” ao estilo Elvis Presley.

Set list:
1             Light Up the Sky
2             Runnin' With the Devil
3             Romeo Delight
4             Everybody Wants Some!!
5             Drop Dead Legs
6             Feel Your Love Tonight
7             Somebody Get Me a Doctor
8             She's the Woman
9             I'll Wait
10           Drum Solo
11           Little Guitars
12           Dance the Night Away
13           Beautiful Girls
14           Women in Love
15           Hot for Teacher
16           Dirty Movies
17           Ice Cream Man
18           Unchained
19           Ain't Talkin' 'Bout Love
20           Guitar Solo
21           You Really Got Me
22           Panama
23           Jump
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.