Pular para o conteúdo principal

Neil Young chega aos 70 anos essencial e exemplar



Neil Young é um astro do rock peculiar em um meio artístico lotado de peculiaridades. Há quem diga que suas peculiaridades são tão peculiares que, muitas vezes, se sobrepõem a sua genialidade.
Maledicências à parte, foi graças às peculiaridades daa carreira e da personalidade do músico canadense que o consagraram como um ícone do rock e, provavelmente, como um pioneiro da chamada “independência artística''.

O termo é perigoso, pois embute uma série quase que infindável de interpretações. No entanto, a independência artística de mais de 50 ano de carreira deve ser celebrada e comemorada. Young é um exemplo de diversificação e ousadia artísticas em um mercado pautado por interesses diversos.

O guitarrista e cantor completou 70 anos de idade nesta semana ainda mantendo a aura de purista e de radical na busca da excelência musical e sonora, para não falar em campanhas pessoais fora do cenário artístico – politicamente ativo contra os reacionários e sectários, criou um dos eventos beneficentes mais respeitados da atualidade, o festival Bridge Benefit.

A busca pelo som perfeito e a cruzada pelo que podemos denominar de honestidade intelectual/artística se traduziram em uma empreitada arriscada e polêmica, mas que pode resumir, ainda que de forma imprecisa, a trajetória incomum e única de Young: o aparelho Pono, uma pretensa alternativa aos tocadores atuais de música digital.

Crítico ácido e contundente dos formatos existes de música digitial, em especial aos iPhones e iPods, da empresa Apple, colocou o seu lado inventor/empreendedor para funcionar e afirma ter criado um aparelho de reprodução sonora muitas vezes superior a qualquer um existente no mercado.

Visionário, inovador e apaixonado, o canadense costuma, de vez enquanto, ser subestimado e tachado de maluco – ou, no mínimo, “difícil''. Bobagem.
Young é uma usina de riffs de guitarra e de ideias. É um astro politicamente engajado em várias causas  e de invejável disposição para romper barreiras e incomodar os empresários da indústria cultural – e por isso é admirado por colegas pela sua propalada independência; fz o que quer, grava o que quer e quando quer.

Inquieto e pouco disposto a acomodações, não hesitou em abandonar o excelente Buffalo Springfield no final dos anos 60 para engatar uma carreira solo rica, embora “alternativa demais'' para a época, ao mesmoo tempo em que aderia aos projeto de amigos para catapultar o Crosby, Stills, Nash & Young, um marco do chamado country rock.

Foi bom, mas não durou muito. E assim se seguiu a trajetória pelos anos 70 e 80, com obras-primas intercaladas com bons trabalhos e outros bastante irregulares.
Entretanto, a independência artística e a busca por novidades e novos caminhos são as principais características de Young além da genialidade musical.

Mais do que fundamental, Neil Young é um artista essencial o rock, ainda mais em uma era insípida, inodora e incolor, onde a música segue desvalorizada diariamente. O clichê aqui é necessário: o guitarrista é um exemplo artístico, ainda que não queira ou não se importe com isso.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.