Pular para o conteúdo principal

Vinda de David Gilmour inicia o fim de um ciclo no Brasil

http://headbangervoice.blogspot.com.br



A visita de David Gilmour ao Brasil é um marco porque provavelmente será o último dos gigantes do classic rock a tocar por aqui, principalmente entre os que jamais tinham vindo. Teremos Rolling Stones no ano que vem, com enormes chances de que também seja a sua última turnê.

O ex-Pink Floyd encerra um ciclo tardio que colocou a América Latina no mapa no anos 80. Dos gigantes, apenas The Who e seus membros jamais cogitaram tocar por aqui. Com as recentes vindas de Robert Plant “representando'' o Led Zeppelin, então podemos dizer que o todo o leque foi abrangido.

Todo elogios ao Brasil e de muito bom humor, Gilmour foi bastante diplomático na entrevista coletiva concedida no estádio do Palmeiras, em São Paulo, nesta quinta-feira, mas manteve o tom severo a respeito de um eventual encontro nos palcos dos remanescentes do Pink Floyd. O artista toca na cidade nos dias 11 e 12 de dezembro.

Segundo Gilmour, de 69 anos, para evitar tensões, como as que aconteceram na reunião de 2005, no festival beneficente Live 8. “A noite foi prazerosa, mas os ensaios foram tensos, porque tínhamos um histórico doloroso'', lembrou o guitarrista, fazendo alusão às conhecidas brigas com o ex-colega, que chegaram aos tribunais num embate pelo uso do nome Pink Floyd.

“Na época discutimos sobre quais músicas tocaríamos. No fim, o Roger teve de aceitar que seria um convidado da banda. Repetir essa tensão não é algo que gostaria de repetir. Existem interesses comerciais, mais isso não é algo que quero à essa altura da vida'', declarou de forma incisiva.
Gilmour provavelmente fará um dos melhores shows já vistos na cidade de São Paulo, assim como ocorreu com Roger Waters dez anos atrás.

Não esperemos grandes novidades – o repertório será baseado em clássicos do Pink Floyd e em músicas de seu mais recente álbum, o apenas razoável “Rattle That Lock''.
O perfeccionismo dará o tom da apresentação mas, sobretudo, será uma experiência inigualável ver a técnica única de abordagem da guitarra do músico inglês, um dos raros identificáveis apenas nas primeiras notas, por conta de seu timbre.
então, que aproveitemos ao máximo a grande experiência de desfrutar aquele que poderá ser um dos últimos gigantes da história a desfilar seu talento pelo Brasil. E fica a torcida para que possamos, ao menos mais uma vez, rever Van Halen e David Bowie ao vivo – Bom Dylan, quem sabe?

Quanto a The Who, nota zero para Pete Townshend e Roger Daltrey, os donos da banda. A América Latina está novamente fora da prometida turnê de despedida dos palcos, que está em curso. Não sabem o que perderam.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…