Pular para o conteúdo principal

Peter Frampton: 40 anos de Frampton Comes Alive!


http://headbangervoice.blogspot.com.br

http://headbangervoice.blogspot.com.br

Alguns álbuns tornam-se referências históricas que ultrapassam qualquer medida ou critério. Quando se trata de registros ao vivo, Frampton Comes Alive! é o maior de todos. Você pode até preferir algum outro, mas estamos falando de dados e fatos concretos. É o trabalho mais vendido de todos os tempos no formato, com mais de 17 milhões de cópias comercializadas – metade disso apenas nos 

Estados Unidos. Tal qual o KISS no ano anterior, com Alive!, o disco catapultou de vez a carreira solo do ex-Humble Pie, que não vinha obtendo resultados realmente expressivos até então, apesar de seu inegável talento como músico e compositor.

A maior parte das gravações aconteceu no Winterland Ballroom, em San Francisco, Califórnia, no dia 14 de junho de 1975. A noite anterior, em San Rafael, assim como os shows de Commack (24/08/1975) e Plattsburgh, ambas no estado de Nova York, (22/11/1975) também serviram de base para o registro algumas faixas. Obviamente, o overdub comeu solto, embora o autor da obra negue veementemente, como é de praxe. Muitos criticam esse tipo de ação, mas chamamos de mal necessário – afinal de contas, quem quer ouvir algum erro de som repetidas vezes, que vá atrás de um bootleg. O resultado final é uma verdadeira seleção de hits, daqueles que a gente ouve do início ao fim e recomeça sem cansar.

O fato é que Peter Frampton é um músico raro na história. Poucos uniram tão bem o senso melódico com uma técnica acima da média. É um prazer ouvir tamanha classe a serviço de algo palatável a todos os ouvidos. Não à toa, os grandes sucessos deste disco podem ser escutados tanto em meio a rockers quanto no almoço da família no final de semana. “Show Me The Way”, “Baby, I Love Your Way” e “Do You Feel Like We Do” foram lançadas como single – a última editada, já que chega aos 14 minutos no álbum – e garantiram seus lugares no panteão das pérolas Pop de todos os tempos, a ponto de ofuscarem suas versões de estúdio. Mas elas não são as únicas e chega impossível a citar destaques no repertório, que ainda inclui uma versão para “Jumpin’ Jack Flash”, dos Rolling Stones.

Frampton Comes Alive! chegou aos primeiro lugar nos Estados Unidos (onde foi o disco mais vendido de 1976) e Canadá, além de um sexto posto na parada britânica. Se tornou uma referência tão grande que a cada cinco anos acaba sendo relembrado pelo seu protagonista, seja em turnês, lançamentos alusivos ou reedições. A repercussão transformou Peter em um superstar, fato que só ganhou proporções maiores após uma capa da Rolling Stone sem camisa, da qual o músico se arrepende até hoje, por ter passado uma mensagem errada de sua proposta enquanto artista. Mesmo assim, o tempo se encarregou de fazer justiça e colocar as coisas em seus devidos lugares.


Peter Frampton (vocais, guitarra)
Bob Mayo (guitarra, piano)
Stanley Sheldon (baixo)
John Siomos (bateria)

01. Introduction/Something’s Happening
02. Doobie Wah
03. Show Me The Way
04. It’s A Plain Shame
05. All I Want To Be (Is By Your Side)
06. Wind Of Change
07. Baby, I Love Your Way
08. I Wanna Go To The Sun
09. Penny For Your Thoughts
10. (I’ll Give You) Money
11. Shine On
12. Jumpin’ Jack Flash
13. Lines On My Face
14. Do You Feel Like We Do?

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.