Pular para o conteúdo principal

O substituto


Em entrevista ao Music Radar, Steve Morse falou sobre como é ser o guitarrista que está há mais tempo no Deep Purple.

Quando você entrou na banda, imaginou que isso fosse acontecer? Você chegou a tremer com a responsabilidade de substituir Ritchie Blackmore?

Passei por algo assim antes, quando entrei no lugar de Kerry Livgren, do Kansas. Então, estava um pouco preparado. Você já entra nesse tipo de situação sabendo que uma parte dos fãs irá lhe odiar, não importa o quanto toque bem. Muitos gostam da banda de apenas um modo. Não interessa quem é o outro cara, as músicas que façam ou se ele é melhor ou pior que o anterior. Mas entendo isso. Quando entrei no Deep Purple, vi uma chance de trazer algo novo. Como fã, senti que eles precisavam. Quando me convidaram, eu simplesmente nunca os tinha visto ao vivo. Eles tocavam por todo o mundo, mas muito pouco nos Estados Unidos. Não sabia como seria, se estavam fazendo coisas novas ou apenas vivendo do passado.

Meu manager, Frank Solomon, entrou em contato e ficou decidido que eu faria quatro shows. Assim, ficaria mais fácil caso não nos entendêssemos. Mas já no primeiro ensaio, poucas horas antes de um concerto, fiquei entusiasmado, eles eram demais. Soamos muito bem juntos, a química rolou. Em uma hora estávamos rindo e dando tapinhas nas costas, dizendo “É isso aí, vai dar certo!”.

Você já teve algum contato com Blackmore? Ele já comentou sobre você tocando?

Nunca falei com ele, mas ele fez comentários que achei memoravelmente... restritos. Ele certamente teve oportunidades perfeitas para dizer o que quisesse, negativo ou positivo. Sei que poderia ser um grande alvo para ele, além dos fãs. Mas fico aliviado que não tenha sido assim. O que ele já falou foi coisas como: “Esse cara toca muito bem e faz coisas diferente. Não sei se é a pessoa certa para o Deep Purple...”. Foi algo dessa natureza. Mas sabe, como alguém pode substituí-lo? Não dá. Tudo que se pode fazer é entrar na banda, fazer do seu jeito e mudar o que for preciso. Não dá para ser um clone, nem se deve. O que Ritchie fez está feito. Eu faço a minha parte.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.