Pular para o conteúdo principal

O substituto


Em entrevista ao Music Radar, Steve Morse falou sobre como é ser o guitarrista que está há mais tempo no Deep Purple.

Quando você entrou na banda, imaginou que isso fosse acontecer? Você chegou a tremer com a responsabilidade de substituir Ritchie Blackmore?

Passei por algo assim antes, quando entrei no lugar de Kerry Livgren, do Kansas. Então, estava um pouco preparado. Você já entra nesse tipo de situação sabendo que uma parte dos fãs irá lhe odiar, não importa o quanto toque bem. Muitos gostam da banda de apenas um modo. Não interessa quem é o outro cara, as músicas que façam ou se ele é melhor ou pior que o anterior. Mas entendo isso. Quando entrei no Deep Purple, vi uma chance de trazer algo novo. Como fã, senti que eles precisavam. Quando me convidaram, eu simplesmente nunca os tinha visto ao vivo. Eles tocavam por todo o mundo, mas muito pouco nos Estados Unidos. Não sabia como seria, se estavam fazendo coisas novas ou apenas vivendo do passado.

Meu manager, Frank Solomon, entrou em contato e ficou decidido que eu faria quatro shows. Assim, ficaria mais fácil caso não nos entendêssemos. Mas já no primeiro ensaio, poucas horas antes de um concerto, fiquei entusiasmado, eles eram demais. Soamos muito bem juntos, a química rolou. Em uma hora estávamos rindo e dando tapinhas nas costas, dizendo “É isso aí, vai dar certo!”.

Você já teve algum contato com Blackmore? Ele já comentou sobre você tocando?

Nunca falei com ele, mas ele fez comentários que achei memoravelmente... restritos. Ele certamente teve oportunidades perfeitas para dizer o que quisesse, negativo ou positivo. Sei que poderia ser um grande alvo para ele, além dos fãs. Mas fico aliviado que não tenha sido assim. O que ele já falou foi coisas como: “Esse cara toca muito bem e faz coisas diferente. Não sei se é a pessoa certa para o Deep Purple...”. Foi algo dessa natureza. Mas sabe, como alguém pode substituí-lo? Não dá. Tudo que se pode fazer é entrar na banda, fazer do seu jeito e mudar o que for preciso. Não dá para ser um clone, nem se deve. O que Ritchie fez está feito. Eu faço a minha parte.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Músico do Ghost comenta homenagem a amigo suicida

“He Is”, faixa do álbum Meliora, do Ghost, é uma homenagem a Selim Lemouchi, líder da banda holandesa The Devil’s Blood. Ele cometeu suicídio em março de 2014, aos 33 anos. “Vivíamos longe, mas sempre que nos encontrávamos era uma diversão. Essa música já existia em demos, mas nunca tínhamos acertado o aspecto lírico. Após a morte de Selim, tudo se acertou. Ela fala sobre a fé em um grande além”, disse um dos músicos da banda ao Loudwire.