Pular para o conteúdo principal

Iron Maiden: entrevista com Paul Mario Day no IMB


Imagem
Saiu recentemente uma grande e esclarecedora entrevista com Paul Day, o 1º. vocal do Maiden. A Crimzon Lake, sua recente banda, tem recebido atenção dos órgãos de imprensa juntamente com o lançamento do EP auto-intitulado.
 
O nome Paul Mario Day pode não dizer muito para muitos fãs de metal, mas certamente diz para qualquer seguidor do Iron Maiden.

Paul foi o vocalista original da banda, cantando com eles nos primeiros meses de carreira musical. Se vocês voltarem a olhar as biografias passadas como Running Free (1984) de Gary Bushell, Infinite Dreams (1996) de Dave Bowler e Bryan Dray, e Run To The Hills (1998) de Mick Wall, vão ver que Paul é mencionado favoravelmente.

Paul, quando você começou a ouvir heavy metal e quando percebeu que você tinha uma voz pra isso?

Eu comecei ouvindo heavy metal entre os onze e treze anos de idade. Eu comecei cantando no colégio e garotos costumavam tentar e me testar com canções, para ver se eu conseguiria cantá-las.Queria ser um músico de algum tipo, mas não realmente um cantor. Eu pensei que seria legal fazer alguma coisa que não fosse mesmo um emprego. Eu nunca pensei de verdade que eu seria um cantor profissional, eu vim das raízes da classe trabalhadora e eu só pensava que alguém mais faria isso. Comecei cantando junto com um guitarrista e não tocávamos com um baterista até mais tarde. Até estar com o Iron Maiden eu não sentia que queria ser mesmo um cantor, com isso a sugestão da possibilidade de seguir uma carreira, parecia possível.

Em relação a ouvir música, comecei com os Beatles e então, próximo do fim do período escolar, era Moody Blues e Led Zeppelin. Eu ouvia Black Sabbath quando estava cantando com o guitarrista. Naquele ponto eu estava atraído para música mais dark de uma boa maneira, e eu gostava daquilo mais do que tudo. Ouvindo Black Sabbath agora, pra mim, eles não soam mais pesados, apenas como rock melódico.

Quais foram as primeiras bandas nas quais esteve? Você cantou com alguém nesse estágio que fez da música sua carreira?

Minha primeira banda real foi a Iron Maiden. Eu fiz um show no Railway Social Club do meu pai, de covers, mas Maiden foi minha primeira banda real - nada de valor antes do Iron Maiden.

Como você ingressou no Iron Maiden?

Eu vi Steve Harris e Dave Smith no Gypsy's Kiss, tocando no The Bridgehouse Pub e eu gostei mesmo daquilo. Nada grandioso, eu não sabia que Steve esteve tocando baixo por poucos anos, apenas. Eu trabalhava em um centro de serviço de bicicletas em Leytonstone, perto da casa de Steve, e ele passou perto um dia e eu perguntei se ele precisava de um cantor. Daquela vez ele disse não. Mas cerca de poucas semanas mais tarde Steve se virou e perguntou se eu queria fazer um teste e eu fiz.

A entrevista completa (imensa) você pode conferir no link:
http://www.ironmaidenbrasil.com.br/2011/07/paul-mario-day-entrevista-com-o-1.htm...
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.