Pular para o conteúdo principal

No Dia Mundial do Rock, são as crianças que celebram em Joinville

Bruno Stanger orgulha o pai Neto Stenger com seu ritmo na bateria - Diorgenes Pandini / Agencia RBS

13 de julho dia mundial do Rock

Gênero já é um respeitável senhor de cinquenta e poucos, mas são as crianças que também dão o tom

A primeira reação de Bruno Stanger quando chega na escola de música do pai é correr atrás de uma guitarra ou bateria que esteja dando sopa. Até aí, nada demais, a não ser o fato de que Bruno tem apenas três anos. O pai, o guitarrista Neto Stenger, nega qualquer imposição sobre a preferência do herdeiro. Nem o jeito de segurar as baquetas foi ensinado. Ele só observa e repete, relata Neto, que se surpreendeu com o ritmo nato do pequeno.

Clique e confira galeria de imagens

No caso de Bruno, a influência vem de casa, mesmo que o gosto pelo rock’n’roll não seja uma determinação da família. Mas o gênero, com quase 60 anos, continua seduzindo novas gerações de roqueiros.

Artur Augusto da Silva Vicente, dez anos, é uma das crianças que foram na contramão do gosto musical dos pais. Há dois meses, ele pediu de presente uma guitarra e um amplificador e passou a frequentar aulas de música. Bem ao inverso do pai Rinaldo, que toca cavaquinho nas horas vagas. Hoje, Artur é o único da casa que não compartilha a preferência pelo samba.

Artur se sente diferente da maioria dos colegas de escola. Enquanto muitos deles falam de bandas do momento, como Restart, Cine e NX Zero, Artur prefere o bom e velho AC/DC e sonha em conseguir logo tocar um solo afinado de “Eye of the Tiger”, de Survivor.

— Gosto mesmo é de rock —, afirma, convicto.

O pai revela que ele relutou em fazer aulas de guitarra, mesmo já tendo ganhado uma.

— Ele queria criar as próprias músicas —, diz.

Neto Stenger, que também dá aulas de música, diz que o interesse de crianças pelo gênero cresceu depois que o jogo “Guitar Hero” se tornou febre, mais ou menos após 2007.

— Foi aí que muitas crianças passaram a conhecer as músicas mais clássicas do rock —, lembra Neto.

O mercado parece ter percebido essa nicho. Tanto que a feira de instrumentos musicais que o guitarrista participou no fim de semana, em Balneário Camboriú, foi voltada para os futuros instrumentistas.

— Até guitarras pequenas com amplificador para crianças eles já estão fabricando —, exemplifica.

Ídolos vêm do passado

Quando Lucas Wunderlich nasceu, Elvis Presley já tinha morrido havia 24 anos. A distância temporal não impediu que ele admirasse o Rei do Rock e tentasse copiar seus trejeitos e músicas quando ainda tinha quatro anos. Aos dez, Lucas começou a levar o gosto musical a sério.

A mãe, Andresa, o acompanha nas aulas semanais de violão, mas Lucas quer mesmo é partir para a guitarra e bateria.

— Achei melhor ele começar com o violão para ver se realmente é isso que ele quer —, conta a mãe.

O efeito parece ter sido o mesmo para José Henrique Velho Coelho, de mesma idade. O filho caçula de Ângela é enfático quando fala sobre o tipo de música que mais o atrai: “rock clássico”.

Segundo ele, os ídolos do passado só o fizeram aumentar ainda mais a vontade de aprender a tocar guitarra. Beatles, Freddie Mercury, Jimmy Page e Bon Jovi figuram na lista dos mais admirados, mas Slash está no topo das preferências.

— Quero poder tocar logo uma dele —, confessa.

Os ícones do rock mundial foram apresentados a José Henrique quando ele tinha sete anos.

— Ele convenceu o professor a dar aulas para ele, porque ainda era muito novo —, conta a mãe.

Quando todos pensavam que José Henrique herdaria a paixão pelo futebol do pai, veio o pedido da primeira bateria, quando ele ainda não tinha três anos completos.

— Prometi até parar de chupar bico para ganhar a bateria de Natal —, lembra.

Hoje, é a guitarra que ocupa a maior parte das suas horas vagas.

José Henrique pensa em ter uma banda só sua. Até já reuniu alguns amigos para idealizar a Little Scorpions, nome que o grupo deverá receber quando os aprendizes de músicos tiverem um espaço para ensaiar. O maior sonho?

— Quero ter logo uma guitarra da marca Gibson —, diz.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.