Pular para o conteúdo principal

O poder do lobo cada vez maior


Powerwolf – Blood of the Saints [2011]

Quem está acostumado com o trabalho do Powerwolf através de seus discos anteriores, já sabe o que pode esperar. O grupo se mantém fiel à sua proposta de um Power Metal cheio de corais e orquestrações que nos remetem a influências de cantos gregorianos. A diferença é que eles não fazem isso da maneira pomposa e firulenta de muitas atrações do gênero. Aqui, o peso está na linha de frente, unido a melodias de fácil assimilação, apesar da complexidade técnica da obra. Vale destacar também a arte da capa, candidata em potencial a melhor do ano.

Todas as faixas merecem destaque, mas o single “We Drink Your Blood”, a envolvente “All We Need is Blood” (sim, os caras são chegados num sangue) e “Night of the Werewolves” tomam a linha de frente, além da simples e direta “Die, Die, Crucified”. Aliás, importante citar que, com exceção da última, nenhuma canção ultrapassa os cinco minutos, oferecendo dinamismo ao estilo mais elaborado. Impossível deixar de citar o timbre todo particular do vocalista Attila Dorn, conseguindo cativar o ouvinte na primeira escutada.

A cada álbum, o Powerwolf evolui com sua fórmula única e angaria mais fiéis para o seu rebanho. Para quem ainda não conhece, Blood of the Saints serve como uma boa apresentação desse talentoso grupo.

Nota 9

Attila Dorn (vocals)
Charles Greywolf (bass, guitars)
Matthew Greywolf (guitars)
Falk Maria Schlegel (keyboards)
Thomas Diener (drums)

01. Opening: Agnus Dei
02. Sanctified With Dynamite
03. We Drink Your Blood
04. Murder At Midnight
05. All We Need is Blood
06. Dead Boys Don't Cry
07. Son of a Wolf
08. Night of the Werewolves
09. Phantom of the Funeral
10. Die, Die, Crucified
11. Ira Sancti (When the Saints Are Going Wild)

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…