Pular para o conteúdo principal

A pessoa errada no lugar errado


Em 1991, a repórter Anamaria de Lemos, da Revista Bizz, foi ao Castle Donnington Monsters of Rock e achou (quase) tudo uma merda.

É meio-dia. Na tenda da MTV, alguns jornalistas concorrem ao troféu "quem faz a pergunta mais idiota ao Queensryche". O dia está ensolarado, mas o vento quase derruba as barracas e guarda-sóis da área de hospitalidade.

Quem tem sorte ou bons contatos, ou um bom motivo para estar aqui - como trabalho -, tem o famoso passe amarelo VIP e pode freqüentar a área reservada às bandas. O pessoal do passe verde - jornalistas e convidados - passeia pelo gramado: velhos rockers, peruas de minissaia e salto alto (apropriadíssimos para a ocasião) e executivos das gravadoras, vestidos com suas amostras grátis -camiseta da MTV, óculos escuros do Marillion e assim por diante.

Apesar de as bandas desse 11.º Castle Donnington darem de dez a zero no glam rock falido do ano passado (Whitesnake, Poison; Quireboys), a empolgação aqui atrás é bem menor. Talvez seja a falta de celebridades. Fora membros do Almighty, Wonder Stuft e Marillion, a pessoa mais famosa é Tony Iommi, do Black Sabbath. Só que ninguém o reconhece.

Lá fora, a molecada é que sabe a maneira certa de enfrentar a maratona metálica: jeans, botas, camisetas e muitos galões de cidra voando pelo ar. Um folheto me informa que o palco de 91 é o maior jamais usado neste festival, talvez um dos maiores do mundo. No topo, dezenas de canhões esperam sua vez.

Tamanha a rapidez da ascensão dos Black Crowes que me assusto ao perceber que para sua estréia em Donnington eles serão os primeiros a enfrentar o povão. Chris Robinson, vestido de preto e dourado, está mais esquálido que nunca. Em plena luz do dia, o blues desta banda de Atlanta, Geórgia, parece totalmente errado. Só o público bem à frente do palco é que presta atenção - e isso porque não quer perder seu lugar privilegiado. Hora errada, lugar errado, banda errada.

A segunda banda do dia é o Queensryche. A área de hospitalidade de repente fica lotada. Ninguém quer ver o grupo de Seattle. Pudera: sua "preocupação" com o meio ambiente, o materialismo da sociedade americana e tal é tão falso quanto seu rock pomposo e arrastado. Alguém me diz que eles tocaram material de todos os discos. Eu não sei, não quero saber. Rock complexo e adulto? Vá catar coquinho!

E já que estamos falando disso: você quer saber o que acho do Mötley Crüe? Poderia resumir em três palavras, mas todas as três seriam impublicáveis. Como é que eles conseguem vender tantos discos? É simples: seu rock básico, sexista e ignorante é um estouro com a garotada. Pelo menos o show consegue gerar um pouco de energia, com a velha mentalidade de sexo, drogas, pizza e sexo de novo. Sexo? Troque de cabeleireiro, queridinho... Próximo!

Chegou a melhor banda do festival. Vestidos de preto como sempre, James, Lars, Kirk e Jason são recebidos como deuses. Já de cara eles tocam o novo hit, "Enter Sandman", e os gritos de "exit light/enter night" já justificam o preço do ingresso. Eles acabam de lançar o melhor disco de suas carreiras e sabem disso. "Seek And Destroy", "Master Of Puppets" "One" (com som de helicóptero, tiros e tudo) são magníficas. Mas as novas, como "Sad But True" e "The Unforgiven" são mais curtas, mais diretas, mais eficientes. A coisa mais incrível é que durante o show o céu vai ficando cada vez mais preto, o vento cada vez mais forte, o ambiente cada vez mais perfeito para a música pesada e sombria. Em 91, até São Pedro está trabalhando para o Metallica.

Quando chega a vez do AC/DC, o vento está nos congelando, mas os ânimos estão fervendo. Esta banda já tocou em Donnington e outros maiores muitas vezes. Sabe exatamente o que fazer: música de festival, vibrante, forte e grande. O AC/DC é o único grupo aqui que tem uma presença grande o suficiente para preencher este palco. As favoritas continuam sendo aquelas mesmas: "Hell´s Bells" (com Brian Johnson tocando um sino enorme no meio do palco), "Whole Lotta Rosie" (Rosie é uma boneca inflável gigantesca, loira, de lingerie vermelha e muito bem-dotada), "Back In Black", "Let There Be Rock". Para quem está lá longe, duas telas mostram as acrobacias de Angus Young. A festa termina com "For Those About To Rock", é claro... e os canhões entram em ação.

No final das contas, um dia e tanto: entre fracassos e sucessos, performances patéticas e poderosas, tivemos um pouco de tudo. Menos chuva. Até 92.

Publicada na Revista Bizz, edição 77, dezembro de 1991
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.