Pular para o conteúdo principal

Michael Kiske: "Não odeio a música que eu fiz com o Helloween!"

O site grego Solid Rock falou recentemente com o ex-vocalista do HELLOWEEN, Michael Kiske sobre alguns tópicos, incluindo seu novo álbum "Past In Diferent Ways".

Solid Rock:
“Past In Different Ways” inclui canções que você escreveu e cantou com o Helloween  no passado, só que agora elas estão num novo arranjo e apenas uma canção nova. Qual foi a sua motivação para tal lançamento?

Michael Kiske: "Foi a idéia do Serafino, da Frontiers Records. Não fui eu que primeiro tive essa idéia, para ser honesto, e não tinha certeza se daria certo. Mas quando eu comecei a pensar sobre ela eu não consegui achar motivo porque eu não deveria fazê-la. E o fato de eu ter alguns problemas com a cena do heavy metal e alguns problemas pessoais com um alguém em especial da banda, não significa que eu tenha que odiar ou rejeitar minha própria música. E eu não odeio a música que eu fiz com o Helloween, então eu pensei que não seria uma má idéia criar um novo álbum que soaria bem também".

Solid Rock:
Você acha que haverá gente/fãs que desaprovarão esse lançamento pelo fato de você ter dito anteriormente que não quer mais lidar com seu passado? E o quão importante é a opinião das pessoas para você?

Michael Kiske: "Se você começa a ouvir a tudo que as pessoas têm a dizer e toda essa fofoca, você ficará louco. A cena do metal e eu quero dizer as pessoas dentro dela, são todas tipo 'oito ou oitenta'. Há gente que cria coisas e gente que gosta de promover música vazia, e aquelas pessoas acham que tudo que vem junto com esse vazio é bom e tudo que vai contra é ruim. Se você discorda de qualquer coisa no metal, então só lhe é permitido cantar canções românticas ou algo parecido - é assim que elas pensam. O fato de eu ter tido um problema com o Helloween, e especialmente com o Sr. Weikath, não significa que eu odeie ou rejeite meu passado. Com um lançamento como meu novo álbum 'Past In Different Ways', de qualquer jeito eu devo falar do meu passado. Mas eu tenho que me livrar completamente dessas fofocas: essa gente pode pensar o que quiser".

"No metal é assim, se as pessoas gostam da música ela é música de verdade (true), e se elas não gostam, ela é falsa. Por exemplo, se alguém cresce no Texas, Estados Unidos, e seus pais ouvem country, e essa pessoa cresce ouvindo country e ela realmente gosta desse tipo de música e então seu avô morre e ela escreve uma canção verdadeira e pessoal sobre a sua dor, isso é música de verdade. Claro, eu não estou dizendo que metal é falso, o que eu quero dizer é que música falsa ou música de verdade não tem nada a ver com o gênero, se for música".

Esta é uma matéria antiga do site RockNews!
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Músico do Ghost comenta homenagem a amigo suicida

“He Is”, faixa do álbum Meliora, do Ghost, é uma homenagem a Selim Lemouchi, líder da banda holandesa The Devil’s Blood. Ele cometeu suicídio em março de 2014, aos 33 anos. “Vivíamos longe, mas sempre que nos encontrávamos era uma diversão. Essa música já existia em demos, mas nunca tínhamos acertado o aspecto lírico. Após a morte de Selim, tudo se acertou. Ela fala sobre a fé em um grande além”, disse um dos músicos da banda ao Loudwire.