Pular para o conteúdo principal

O passarinho superando o leão


Em entrevista à Radio Metal, o baterista Charlie Benante não se privou de falar sobre algumas polêmicas recentes do Anthrax.

Nos últimos a relação com vocalistas tem parecido uma novela aos olhos dos fãs. É difícil lidar com eles?

Se você ver a história de várias bandas, constatará que sempre há um problema com cantores. Há um termo usado no meio, que é “Lead Singer Disease (LSD)”. Vocalistas, por algum motivo, acreditam merecer mais, sentem que possuem o trabalho mais difícil na banda. Mas normalmente, eles só precisam olhar para trás e ver quem tem a função mais dura, o baterista (risos).

John Bush era muito popular entre os fãs. Muitos ainda acreditam que foi um erro deixá-lo sair para fazer a turnê de reunião em 2005. Vocês compartilharam desse sentimento em algum momento?

O mais difícil é ter que escolher entre esse e aquele cara. Para mim, a formação clássica do Anthrax é a que criou os discos Spreading the Disease e Among the Living. Então, é óbvio que as pessoas iriam querer isso de volta. Nós vimos a diferença. Mais pessoas vem nos ver com Joey, há mais empolgação. Não estou tirando os méritos de John, apenas relatando um fato.

Mas pouco antes de Joey voltar pela terceira vez, vocês declararam que estavam em processo de reunião com John. Por que as coisas não funcionaram?

John voltou para preencher algumas datas que tínhamos. Ele não tinha intenção de ficar em definitivo. Penso que naquele momento todos nós precisávamos sair um pouco do Anthrax. Por isso fizemos outros projetos. Chegou um ponto em que sabíamos que John não faria mais parte e seguimos em frente.

Por que Joey saiu após a primeira reunião?

Estávamos trabalhando com um grupo diferente de pessoas, das quais ele não gostava. Essa foi uma das razões. Não o culpo, também não estávamos satisfeitos. Penso que a reunião foi feita pelos motivos errados, porém com a intenção certa, não forçamos a barra.

Há um momento engraçado nesse meio tempo, quando Scott Ian declarou em um programa de TV que John Bush era como um leão e Joey Belladonna um passarinho. Pelo visto, era de um passarinho que o Anthrax precisava...

Acho que Scott teve que engolir algumas palavras. Mas ele só disse isso por mágoa, a relação não estava boa naquela época.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Músico do Ghost comenta homenagem a amigo suicida

“He Is”, faixa do álbum Meliora, do Ghost, é uma homenagem a Selim Lemouchi, líder da banda holandesa The Devil’s Blood. Ele cometeu suicídio em março de 2014, aos 33 anos. “Vivíamos longe, mas sempre que nos encontrávamos era uma diversão. Essa música já existia em demos, mas nunca tínhamos acertado o aspecto lírico. Após a morte de Selim, tudo se acertou. Ela fala sobre a fé em um grande além”, disse um dos músicos da banda ao Loudwire.