Pular para o conteúdo principal

Zagallo aprova!


Megadeth – TH1RT3EN [2011]

As informações vindas dos músicos nas entrevistas antes do lançamento do novo disco do Megadeth davam conta que este trabalho serviria como uma espécie de retrospectiva da carreira do grupo, com faixas que se encaixariam nos mais variados álbuns. É fato que várias bandas costumam dizer isso mesmo, mas aqui a coisa realmente é séria. Temos uma bela mistura da agressividade dos primeiros trabalhos com as melodias da fase noventista dos comandados de Dave Mustaine. E essa diversificação é justamente a maior qualidade de TH1RT3EN. E o mérito não fica apenas nas mãos do líder.

Sempre haverá a lamentação dos que sentem a falta da dupla Marty Friedman/Nick Menza – mesmo sabendo que o guitarrista estava de saco cheio de tocar esse tipo de música, o que inviabilizava sua permanência. Dito isso, é preciso louvar Chris Broderick e Shawn Drover, que são como aqueles jogadores cumpridores de função, que fazem sua parte com total eficiência. Em seu primeiro play após o retorno, David Ellefson manteve sua característica de não inventar e priorizou a execução simples e direta, mostrando que seu lugar é mesmo ao lado de Dave. O vocalista e guitarrista, aliás, segue mostrando que, mesmo questionado vez por outra, já é uma voz marcante da história do Rock.

As treze faixas transcorrem mantendo o alto nível de qualidade, mas é impossível deixar de citar a bela abertura com a dobradinha “Sudden Death” e a pegajosa “Public Enemy No.1”. Da mesma forma, “Whose Life (Is It Anyways?)” mostra que Mustaine estava inspirado na criação de momentos marcantes, daqueles que o fã ouve e automaticamente sai cantando. “Guns, Drugs & Money” traz uma pegada mais próxima da fase Countdown/Youthanasia e conta com aquelas paradinhas de ritmo sempre bem-vindas. A já conhecida “Never Dead mostra a boa e velha pegada intacta, enquanto “Fast Lane” promove um encontro de eras, além de trazer os melhores riffs. Os baladeiros Heavy de plantão ganham um presente em “Millenium Of The Blind”, com sua levada quase Doom. A faixa-título encerra com variações de andamento interessantes.

O melhor disco do Megadeth já foi feito há muito tempo. Portanto, ouça TH1RT3EN sem a exigência de escutar algo que mudará sua vida para sempre. Tendo isso em mente, estamos diante de mais um grande momento da carreira da banda, com a competência que marcou quase toda a sua história. E que parece bem mais centrada depois que seu mentor resolveu reorganizar as idéias e focar a cabeça naquilo que realmente importa.

Nota 8,5

Dave Mustaine (vocals, guitars)
Chris Broderick (guitars)
David Ellefson (bass)
Shawn Drover (drums)

01. Sudden Death
02. Public Enemy No. 1
03. Whose Life (Is It Anyways?)
04. We The People
05. Guns, Drugs & Money
06. Never Dead
07. New World Order
08. Fast Lane
09. Black Swan
10. Wrecker
11. Millenium Of The Blind
12. Deadly Nightshade
13. 13

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Músico do Ghost comenta homenagem a amigo suicida

“He Is”, faixa do álbum Meliora, do Ghost, é uma homenagem a Selim Lemouchi, líder da banda holandesa The Devil’s Blood. Ele cometeu suicídio em março de 2014, aos 33 anos. “Vivíamos longe, mas sempre que nos encontrávamos era uma diversão. Essa música já existia em demos, mas nunca tínhamos acertado o aspecto lírico. Após a morte de Selim, tudo se acertou. Ela fala sobre a fé em um grande além”, disse um dos músicos da banda ao Loudwire.