Pular para o conteúdo principal

Zagallo aprova!


Megadeth – TH1RT3EN [2011]

As informações vindas dos músicos nas entrevistas antes do lançamento do novo disco do Megadeth davam conta que este trabalho serviria como uma espécie de retrospectiva da carreira do grupo, com faixas que se encaixariam nos mais variados álbuns. É fato que várias bandas costumam dizer isso mesmo, mas aqui a coisa realmente é séria. Temos uma bela mistura da agressividade dos primeiros trabalhos com as melodias da fase noventista dos comandados de Dave Mustaine. E essa diversificação é justamente a maior qualidade de TH1RT3EN. E o mérito não fica apenas nas mãos do líder.

Sempre haverá a lamentação dos que sentem a falta da dupla Marty Friedman/Nick Menza – mesmo sabendo que o guitarrista estava de saco cheio de tocar esse tipo de música, o que inviabilizava sua permanência. Dito isso, é preciso louvar Chris Broderick e Shawn Drover, que são como aqueles jogadores cumpridores de função, que fazem sua parte com total eficiência. Em seu primeiro play após o retorno, David Ellefson manteve sua característica de não inventar e priorizou a execução simples e direta, mostrando que seu lugar é mesmo ao lado de Dave. O vocalista e guitarrista, aliás, segue mostrando que, mesmo questionado vez por outra, já é uma voz marcante da história do Rock.

As treze faixas transcorrem mantendo o alto nível de qualidade, mas é impossível deixar de citar a bela abertura com a dobradinha “Sudden Death” e a pegajosa “Public Enemy No.1”. Da mesma forma, “Whose Life (Is It Anyways?)” mostra que Mustaine estava inspirado na criação de momentos marcantes, daqueles que o fã ouve e automaticamente sai cantando. “Guns, Drugs & Money” traz uma pegada mais próxima da fase Countdown/Youthanasia e conta com aquelas paradinhas de ritmo sempre bem-vindas. A já conhecida “Never Dead mostra a boa e velha pegada intacta, enquanto “Fast Lane” promove um encontro de eras, além de trazer os melhores riffs. Os baladeiros Heavy de plantão ganham um presente em “Millenium Of The Blind”, com sua levada quase Doom. A faixa-título encerra com variações de andamento interessantes.

O melhor disco do Megadeth já foi feito há muito tempo. Portanto, ouça TH1RT3EN sem a exigência de escutar algo que mudará sua vida para sempre. Tendo isso em mente, estamos diante de mais um grande momento da carreira da banda, com a competência que marcou quase toda a sua história. E que parece bem mais centrada depois que seu mentor resolveu reorganizar as idéias e focar a cabeça naquilo que realmente importa.

Nota 8,5

Dave Mustaine (vocals, guitars)
Chris Broderick (guitars)
David Ellefson (bass)
Shawn Drover (drums)

01. Sudden Death
02. Public Enemy No. 1
03. Whose Life (Is It Anyways?)
04. We The People
05. Guns, Drugs & Money
06. Never Dead
07. New World Order
08. Fast Lane
09. Black Swan
10. Wrecker
11. Millenium Of The Blind
12. Deadly Nightshade
13. 13

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.