Pular para o conteúdo principal

Resenha - Deep Purple (Net Live, Brasília, 07/11/14)


O Net Live, antigo Opera Hall, talvez viveu um momento único na noite do dia 07 de novembro de 2014, pouco depois das 22 horas, recebendo a maior atração de sua história: a lendária e quase cinquentenária banda DEEP PURPLE abrindo a turnê brasileira Now What?!. A última vez que a banda britânica pisou na capital do rock foi há 17 anos, um longo hiato, que foi observado com a lotação máxima da casa.

O DEEP PURPLE abriu o show com a música "Après Vous" do novo CD "Now What?!", na qual já poderia observar a grande interação, que ficaria marcada ao longo do show, entre Don Airey e Steve Morse. Algumas músicas do CD novo foram executadas, mas além da faixa de abertura do show, merece destaque a música "Vincent Price" (homenagem ao grande ator, mestre dos filmes de terror e de suspense) lembrando muito a construção musical antiga da banda e sendo bem recepcionada pelo público presente (da frente).
Com as músicas clássicas a galera foi ao delírio começando pela dobradinha "Into The Fire/Hard Lovin Man" do álbum "In Rock". Logo em seguida executaram "Strange Kind of Woman" com um Ian Gillan visivelmente cansado, deixando de cantar alguns versos, mas o público não se importava e ajudava o seu grande ídolo cantando partes da música. A sessão clássica continuou com a batida blues de "Lazy", realizada com maestria pela banda, e a contagiante "Space Truckin'" arrancando os primeiros pulos da plateia.
O êxtase veio com um belíssimo solo de Airey (com direito a "Aquarela do Brasil" acompanhada com palmas) para introduzir a virtuosa "Perfect Strangers". O público vibrou, parecia a comemoração de um gol no estádio, punhos cerrados, cabeças balançado, um coro fantástico e muita emoção dos presentes. O que se viu na reação do público em "Perfect Strangers" aplica-se na sensacional e épica "Smoke on the Water", a casa de show quase veio abaixo e "tremeu" com a força do grito da plateia no refrão, deixando Gillan bastante emocionado encerrando assim a primeira parte do show.
No bis, o DEEP PURPLE começou com um cover de "Green Onions" para emendar logo em seguida "Hush", destaque para um duelo espetacular entre o teclado de Don Airey e a guitarra de Steve Morse. A fúria do solo do baixo de Roger Glover chamou, em seguida, a também aguardada "Black Night" com a galera puxando na garganta a introdução da música e terminando com um Stevie Morse soberbo, solando magistralmente na guitarra e encerrando esse fantástico show.
Ué, mas cadê "Highway Star"? Pois é, essa pergunta foi a que todo mundo fez no final. Quando a banda terminou de executar "Black Night" e despediu-se do palco pela segunda vez a plateia começou a gritar o nome da música e para a surpresa de todos o que se viu foi o pessoal começando a desmontar o palco. Um burburinho de reclamação ficou no ar e o público, um pouco desapontado, esperou ainda alguns minutos a banda voltar, mas sem sucesso. Essa foi a grande frustração da noite.
Mas no geral o pessoal que compareceu ao show ficou em estado de êxtase e a banda continua dando um verdadeiro show de rock. Paice: ditando o ritmo, um baterista espetacular, solos sensacionais e está melhor do que nunca; Glover: brincando de tocar baixo, parece tão fácil; Airey: bem, Jon Lord está bastante feliz onde quer que esteja; Morse: está impecável, um solo mais hipnotizante do que o outro; e Gillan: apesar de uma aparência cansada a banda segurou bem nas suas ausências do palco, e respeitando suas condições atuais a sua presença no palco já vale o ingresso.
Apesar da pequena frustração da noite e o gosto de show inacabado, o DEEP PURPLE cumpriu o seu papel proporcionando um ótimo espetáculo, que pôde ser comprovado pelo público em transe durante o show e muitas vezes com um sorriso no rosto de quem estava se “embriagando” com um excelente show de uma das lendas do rock. Até a próxima e que seja logo.
Setlist:
01 - Après Vous
02 - Into The Fire
03 - Hard Lovin´Man
04 - Strange Kind Of Woman
05 - Vincent Price
06 - Contact Lost
07 - Uncommon Man
08 - The Well Dressed Guitar
09 - The Mule (Ian Paice Solo)
10 - Lazy
11 - Hell to Pay
12 - Don Airey Solo
13 - Perfect Strangers
14 - Space Truckin´
15 - Smoke on The Water
BIS:
16 - Green Onions
17 - Hush
18 - Roger Glover Solo
19 - Black Night

Por Lincoln Melo
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.