Pular para o conteúdo principal

Top 5 Pantera: About.com elege os cinco melhores álbuns da banda

 A matéria abaixo foi publicada originalmente no About.com em janeiro de 2010.
Apesar de começar como uma banda de glam metal, o PANTERA se reinventaria em 1990 com o álbum “Cowboys From Hell”, se tornando uma das maiores bandas de Metal dos anos 90.
O quarteto do Texas influenciou inúmeras bandas ao mostrar que o Metal ainda tinha energia guardada, mesmo com a onda do Grunge dominando o país.
O álbum “Far Beyond Driven” de 1994 iria liderar as paradas da Billboard, uma façanha que parecia impossível para qualquer banda de Metal durante meados dos anos 90.
Liderados pelo excêntrico vocalista Phil Anselmo e com a magia da guitarra de "Dimebag" Darrell, o PANTERA deixou uma marca permanente que não vai desaparecer tão cedo.

 Imagem
O primeiro álbum do PANTERA onde a banda finalmente esculpiu sua própria direção, iria mostrar um lado diferente do PANTERA mais voltado para um som groove metal. A faixa principal, a balada épica “Cemetery Gates”, a monstruosa “Domination” e a pesada “The Art Of Shredding” são apenas algumas das faixas que deixaram um impacto sobre o ouvinte despretensioso. “Cowboys From Hell” foi a obra- prima do PANTERA, apresentando a banda em um nível musical que nunca mais foi atingido.

'Vulgar Display Of Power' (1992)
Imagem
Embora o “Cowboys From Hel” tivesse músicas fenomenais, em “Vulgar Display Of Power” havia “Walk”, que para alguns é a música mais importante do PANTERA. Enquanto esta idéia era discutida durante anos, não há dúvidas de que o PANTERA liberou toda sua agressão em "Vulgar Display Of Power". Anselmo substituiu a voz limpa, em sua maior parte, por um grunhido que sufoca o ouvinte com sua força e intensidade. "Hollow" é uma balada subetimada no catálogo da banda, e é a última performance com fortes vocais limpos feitos por Anselmo, antes das drogas e álcool cobrarem seu preço.

3. 'Power Metal' (1988)
Imagem
Embora a banda odiasse admitir, “Cowboys From Hell” não foi o seu primeiro álbum. Antes deste revolucionário lançamento, o PANTERA foi uma banda de Metal Glam. “Power Metal” mostrou a banda como a se direcionar para um som mais híbrido de Heavy/Speed Metal, com o novo vocalista Phil Anselmo apresentando seu estilo selvagem. Seus vocais eram completamente diferentes do que aquilo que a maioria das pessoas ouviu nos álbuns posteriores da PANTERA, Anselmo teve uma abordagem totalmente limpa, com notas altas e falsetes que fariam Rob Halford corar. As músicas em si não são nada de especial, mas o desempenho vocal de Anselmo é o melhor de sua carreira, e como de costume, tocando guitarra, Darrell foi fantástico.

4. 'Far Beyond Driven' (1994)
Imagem
Com “Far Beyond Driven”, o Pantera iria diminuir o ritmo consideravelmente, baixando a afinação das guitarras e apontando para um som mais extremo. A banda mantém o ritmo médio de compassos, com a exceção de um número selecionado de músicas mais rápidas, incluindo "Becoming" e "Slaughtered". As letras de Anselmo ficaram mais pessoais, seus vocais, embora tenham se encaixado muito bem nas músicas, mostrou sinais de fraqueza em certos momentos. A inclusão de um cover da música do BLACK SABBATH, "Planet Caravan" foi uma coisa interessante e complexa ao mesmo tempo.

5. 'The Great Southern Trendkill' (1996)
Imagem
O último álbum decente do PANTERA, “The Great Southern Trendkill” sacrificou a melodia pela brutalidade, levando a resultados mistos. A banda começou a desmoronar, com o uso de drogas do Phil Anselmo levando vantagem sobre ele. As letras descrevem em detalhes, a perda da batalha de Phil Anselmo contra o abuso de substâncias, especialmente em "10's", "Suicide Note" e "Living Through Me (Hell's Wrath)". O PANTERA experimenta um pouco com seu som, utilizando o violão e efeitos eletrônicos em "Suicide Note Pt.1". "Floods" é considerada uma das canções memoráveis da banda, com o solo de Darrell gerando aclamação entre os demais guitarristas.


Traduzido por Karina Detrigiachi | Fonte: About.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…