Pular para o conteúdo principal

Metal forte e atuante: 10 discos lançados em 2015 que irão fazer a alegria de qualquer headbanger

Como vem acontecendo em todos os anos recentes, e heavy metal segue firme e forte em 2015. Grandes discos já chegaram às lojas este ano, mantendo e reafirmando o ótimo momento criativo do estilo, em seus mais variados gêneros. Pra atualizar o seu playlist e manter o ouvido antenado, listei abaixo dez excelentes discos lançados em 2015 e que irão fazer a alegria de qualquer headbanger.


  Nossa aventura começa com Enki, sexto álbum da banda israelense Melechesh. O lance aqui é música extrema turbinada por elementos étnicos, metal adornado por características da música mediterrânea. Os riffs de guitarra trazem melodias orientais, os arranjos se desenvolvem através de elaboradas passagens instrumentais, tudo construído com muito talento e bom gosto. O resultado é um black metal que consegue unir com maestria peso, agressividade e melodia, além de soar original pra caramba.



Próxima parada: Noruega. O país que popularizou o black metal em sua faceta mais extrema no início dos anos 1990 segue com uma cena musical efervescente. E um dos fatores que mais chama a atenção é a quantidade de bandas que partiram do lado mais extremo da música pesada e foram adicionando elementos progressivos em suas sonoridades com o passar dos anos. Um dos casos mais notáveis é o do Enslaved. Disponível desde março, In Times, novo álbum da banda, dá um passo além em relação ao disco anterior, RIITIIR (2012), e soa ainda mais orgânico e redondo. A banda não chega ao extremo de um Opeth, por exemplo, que abandonou todo o seu lado death e se reinventou totalmente, mas sabe como usar com inteligência a riqueza do prog para acentuar a pluralidade de seu som.



Saímos do frio e vamos para a chuva, desembarcando na Inglaterra, terra do Napalm Death. Um dos pais do grindcore, o grupo natural de Birmingham sempre apresentou um espírito aventureiro em sua carreira, e mantém esta característica pra lá de sadia em seu novo álbum. Com uma capa sensacional e um conteúdo no mesmo nível, Apex Predator – Easy Meat é um arregaço sonoro de 40 minutos, cujas quatorze faixas estão entre os momentos mais altos da carreira do Napalm Death. Nos três anos que separam o novo álbum do anterior, Utilitarian (2012), a banda parece ter desenvolvido ainda mais o lado imprevisível de sua música, fazendo com que Apex Predator – Easy Meat soe a milhas de distância do que se faz atualmente no metal extremo.


Como não poderia deixar de ser, é obrigatório dar uma passada pela Suécia em uma matéria que fala sobre a cena atual do heavy metal em todo o planeta. Com uma enxurrada de ótimas bandas, o país escandinavo conhecido por suas belas loiras revela ao mundo outro excelente nome. O Tribulation lançou no final de abril o seu terceiro disco, The Children of the Night. A proposta do grupo é unir o metal tradicional ao death, e os nórdicos se saem bem em sua meta. A parte instrumental bebe diretamente na inesgotável fonte da New Wave of British Heavy Metal, com bastante melodia e riffs, enquanto os vocais mergulham fundo em guturais que não soariam fora de contexto em qualquer nome mais extremo.



Unindo duas das mentes mais talentosas surgidas no metal na última década, o The Gentle Storm é uma colaboração entre a vocalista holandesa Anneke van Giersbergen (ex-The Gathering) e o guitarrista (também holandês) Arjen Anthony Lucassen, conhecido pelo seu trabalho no Ayreon, Star One e outros projetos. O disco de estreia,The Diary, é duplo e traz dez faixas, sendo que no primeiro CD elas são interpretadas com arranjos e instrumentos que remetem à Idade Média, enquanto no segundo as mesmas canções recebem o tratamento tradicional do heavy metal, com guitarra, baixo e bateria. A sensação, em alguns momentos, é de estarmos em uma cerimônia em Porto Real patrocinada pelos Lannisters, embalada por belas composições que tem como destaque principal a voz de Anneke. Um disco um tanto inusitado e diferente, e por isso mesmo tão bom.


 Também tendo uma voz feminina à frente, o Royal Thunder vem dos Estados Unidos e trilha por outra praia. O negócio aqui é um stoner às vezes mais metal e em outras mais psicodélico. O disco de estreia, CVI, foi lançado em 2012 e deixou meio mundo de boca aberta. O novo, Crooked Doors, saiu em abril e coloca elementos de doom e classic rock no caldeirão. As faixas se alternam entre momentos mais agitados e outros mais contemplativos, luz e sombra, e o timbre da baixista Miny Parsonz lembra um pouco o de Ann Wilson, do Heart.


 Ainda na terra do Tio Sam, o Torche é um quarteto formado em 2004 e cujo quarto trabalho, Restarter, saiu no final de fevereiro. Pesadíssimo, o disco traz um stoner com toques de doom, amparado por uma parede de guitarras praticamente intransponível. Aliás, o timbre alcançado pelos caras é digno de estudo, com as guitarras soando de uma maneira que poucas vezes você já ouviu. Cuspindo riffs em profusão, o Torche soa como uma esmagadora máquina que despeja toneladas de distorção, e o resultado é um álbum indicadíssimo pra quem não vive sem o peso nosso de cada dia.



 Voltando pra Noruega, o Solefald é um duo na ativa desde 1995 e que construiu a sua carreira pelos lados do metal avant-garde, com experimentações e inovações constantes. World Metal: Kosmopolis Sud, lançado em fevereiro, é um álbum sem restrições, sem preconceitos e com muita criatividade, que vai do metal à música eletrônica, do jazz ao pop, tudo ao mesmo tempo e agora. Mais que um disco, um exemplo de que tudo é possível e permitido quando o talento é forte e a inovação, onipresente.




E tem o thrash metal, é claro. O Angelus Apatrida é um grupo espanhol formado em 2000, que pratica um thrash vigoroso e com riffs cavalares. Hidden Evolution, seu quinto álbum, saiu em janeiro mas não foi muito comentado aqui no Brasil, então vale a dica. Dosando com eficiência a pegada oitentista que está no DNA do thrash mas sem abrir mão de elementos mais atuais, a banda consegue produzir uma música cativante, daquelas que fazem bater cabeça sem querer e de maneira constante. O timbre vocal faz lembrar um pouco as lendas alemãs Kreator e Destruction, mas os espanhóis são donos do seu destino e tem personalidade própria.




Fechando o papo, temos o veterano vocalista norueguês Jorn Lande em sua mais nova jornada. Gravado ao lado do guitarrista Trond Holter (Wig Wam), Dracula: Swing of Death é uma ópera-rock sobre o lendário vampiro, presente no imaginário de todo fã de histórias de terror e fantasia. Fazendo uma comparação com um projeto similar, o Avantasia de Tobias Sammet, o que temos é um trabalho mais focado no hard rock e menos no power metal, onde o destaque são os sempre ótimos vocais de Lande e os inspirados riffs de Holter. As canções são fortes e bem desenvolvidas, fazendo com que o álbum garanta uma audição prazerosa durante toda a sua duração.
O certo é que, independente do estilo e da sonoridade, o heavy metal vive um momento de grande inspiração em todo o mundo. Nos últimos anos, fomos presenteados com excelentes discos como The Hunter (2011) e Once More ‘Round the Sun (2014) do Mastodon, Unto the Locust (2011) do Machine Head, Yellow & Green (2012) do Baroness e muitos outros. A julgar pelo andar da carruagem, 2015 tem tudo pra seguir no mesmo caminho, comprovando não apenas o excelente momento criativo vivido pelo estilo mas, principalmente, nos dando a certeza de que o futuro do gênero está seguro e bem servido de ótimos nomes.



por Ricardo Seelig
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…