Pular para o conteúdo principal

Espera XIII: unindo no palco música, sonhos e atitude


O Espera XIII lançou um dos discos mais complexos do ano no Brasil, o álbum Unexpected Austral Lights e comemorou seu lançamento em um show muito especial no Espaço Som em São Paulo ao lado da banda Necromesis.

Mas como transportar toda esta profusão de conceitos, lirismos e música extrema para o palco? A colaboradora Caterine Souza esteve presente no show e fez um relato nos moldes do Espera XII, confiram:

"Mais um cais nas cartas náuticas da 13ª Esquadra de Netuno. Consta nos diários de bordo da Espera XIII um dia importante, no qual após quatro anos de existência, a banda estreia o primeiro álbum e assim dá continuidade às demos anteriores. No Espaço Som em São Paulo foi palco para o recém-lançado Unexpected Austral Lights ser tocado na íntegra em um evento organizado pelos próprios integrantes e alguns de seus parceiros.

Necromesis, banda convidada pela Espera XIII para abrir o show, se apresentou impecavelmente divulgando seu novo trabalho, The Poet’s Paradox. Condemned By Themselves evidenciou a maestria da Necromesis, seja pela presença de palco do baixista Gustavo Marabiza, pela cadência ministrada por Gil Oliveira na bateria, ou mesmo pelos solos bem colocados de Daniel Curtolo, unida, claro, com os excelentes alternos entre harsh e gutural executados pela vocalista Mayara Puertas.

Com palco e plateia bem preparados e já no aguardo da banda principal, a Espera XIII entrou com a faixa-título, convidando todos a apertarem os cintos para embarcar nesta viagem com eles. 'Alliance' foi dedicada ao apoio dos que tem acompanhado a banda. Logo depois, emendou-se a 'Leviathan', música que permeia o setlist da banda desde os primeiros eventos.

A próxima música, 'The Great Dark Spot', uma das mais conhecidas do público por conta do lyric vídeo lançado há um ano, incitou a galera a se posicionar próximo ao palco. A sucessora foi a eletrizante 'Kaap Die Hoop', uma das mais rápidas do álbum, o que acabou por evidenciar a execução do baterista Fernando Henrique porque era quase possível sentir o pedal duplo no peito. 'Black Moon Rising' trouxe um lado mais sombrio à apresentação, no nível de obscuridade da banda holandesa Carach Angren.

Os três últimos sons foram executados perfeitamente, trazendo consigo a junção de peso à nível de depresssive black metal com a melodia que a Espera XIII se encaixa. 'Dehydration', em destaque pela intro no piano e pelo solo de baixo executado por Eduardo Ayres, surpreendeu ao público com a qualidade à qual a banda se apresenta. 'The Giant', a composição mais longa do setlist, foi a qual o público pareceu compreender a intensidade não só sonora – visível pela dupla sincronizada Renan Brito e Pietro Bernal, nas guitarras -, mas também pela carga lírica do que ouviam.

A faixa que encerrou a apresentação, chamada simplesmente 'End', fechou o show deixando semelhanças com a francesa Alcest nos vocais limpos cantados por Rubstein Wilker quase sussurrados pela música, além da atmosfera ainda mais próxima ao black metal do que antes vista.

Tanto o álbum quanto o show, podem ter sido incríveis além do esperado, entretanto souberam manter a mesma vibe dos demais trabalhos da banda, não só por conta da mesma temática, mas também quanto à identidade sonora que vem compondo a Espera XIII. Afora isso, a casa estava cheia o que diz que a banda vem ganhando confiança e respeito do público. Outro ponto perceptível, para quem assistiu à shows anteriores, é que está havendo um maior entrosamento entre os integrantes, o que é fundamental.

Enfim, o sentimento que este show por inteiro passou a quem esteve lá é aquele de que a Espera XIII pode e vai nos surpreender ainda mais a cada légua que sua embarcação cruzar."

Unexpected Austral Lights já está disponível para venda em formato físico diretamente com a banda por e-mail e pelo Facebook. A versão digital também já pode ser encontrada pelo link:

http://esperaxiii.bandcamp.com/album/unexpected-austral-lights

O disco foi produzido pelo guitarrista Renan Brito e teve a mixagem e masterização feitas na Alemanha pelo renomado produtor Andy Classen em seu estúdio Stage One.

www.youtube.com/watch?v=yS2PdUAGGSE
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…