Pular para o conteúdo principal

‘Back in Black’, obra-prima do AC/DC, completa 35 anos



No dia 25 de julho de 1980 o AC/DC lançava seu sétimo álbum de estúdio, Back in Black, o primeiro com Brian Johnson nos vocais, o primeiro após a morte de Bon Scott.

O AC/DC que tinha perdido seu vocalista, Bon Scott falecido em 19 de fevereiro de 1980, e é difícil pensar que o próximo disco se transformaria num fenômeno de vendas e que colocaria a banda no patamar de mega-banda. Mas foi exatamente isto o que acontece com Back in Black.
Sozinho o disco que já vendeu mais de 50 milhões de cópias em todo o Mundo e está entre os 10 discos mais vendidos de todos os tempos além de estar na 17° posição da lista definitiva dos 200 melhores álbuns de Rock de todos os tempos, elaborado pela Rock and Roll Hall of Fame.
Quando Brian Johnson, então vocalista da banda Geordie foi convidado a fazer um teste no AC/DC, de cara pensou em recusar “Eu estava numa banda que tinha três músicas entre as Top 10, após três anos aquele era o nosso momento, estávamos numa gravadora cujo o lema era ‘Você faz música e nós o dinheiro!’, estava a muito na estrada, tinha perdido o crescimento de meus filhos. Mas aí fiquei curioso e pensei ‘que mal tem?’ em fazer uma experiência, aí fui cantar com os caras e Boing! estava feito.” comentou o vocalista numa entrevista em 2011.

O disco foi composto e gravado no Compass Point Studio em Nassau, Bahamas, enquanto os irmãos Youngs compunham as músicas, Johnson se encarregava das letras, “Quando fui escrever a letra de ‘Hells Bells’, algo divino, profano bateu em mim, era como estar numa tempestade, um furacão, com raios e tudo mais, até soar um sino e eu pensei é isto eu tenho o sino e vou levá-lo para o inferno, eu vou te pegar, Satã vai te pegar, em dez minutos a letra estava pronta.”, disse o vocalista referindo-se a composição de uma das canções mais emblemáticas da história da banda.
Outras músicas como “Shoot To Thrill” e “You Shook  Me All Night Long” foram composta em questão de horas, sem trovoadas ou relâmpagos como confirmou Johnson. Foram sete semanas para compor o disco “As vezes não tínhamos nada e sem pensar muito, fomos trabalhando e de repente estava pronto, uma nova música estava gravada.

A capa do disco é uma homenagem a Bon Scott, porém a gravadora resistiu a ideia, queriam uma capa diferente, mas no fim concordaram com a banda. O disco foi lançado e de imediato alcançou o 1° lugar nas paradas australianas, inglesas e francesas e em 4° lugar nos Estados Unidos, o posto mais alto que a banda tinha alcançado nas paradas americanas até então.  o primeiro single, “You Shook Me All Night Long” chegou ao número 31 da Billboard, enquanto a faixa título chegou ao número 37, no entanto o álbum permaneceu por 131 semanas no Top 100 da Billboard.

Embora a voz de Brian Johnson seja enraizada no Blues ela se assemelha em muito a voz de Bon Scott o que garantiu a banda a manutenção dos clássicos do ex-vocalista nos shows. “Nós ainda podíamos tocar ‘Highway To Hell’, ‘Whole Lotta Rosie’ entre outras, assim tínhamos um monte de material para trabalhar nos concertos.”.
Back in Black é definitivamente um dos maiores álbuns da história do Rock.


Marcelo RockNight
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…