Pular para o conteúdo principal

Nova história do metal em português decepciona, mas vale como curiosidade



Nem definitiva, nem a única verdadeira. Mais uma obra literária chega ao mercado brasileiro tentando decifrar o heavy metal em seus meandros e em sua história, mas escorrega já no título e no formato, embora seja bem útil.

A editora Conrad fez um esforço grande para editar por aqui “Barulho Infernal – A História Definitiva do Heavy Metal'', dos jornalistas norte-americanos Jon Wiederhorn e Katherine Thurman, dois veteranos do jornalismo musical e considerados especialistas em rock pesado.

A iniciativa é interessante, diante da escassez de títulos sobre heavy metal no Brasil, mas o livro é mais uma coletânea de curiosidades do que realmente uma história completa do sugênero do rock.

A dupla de jornalistas fez uma ampla pesquisa, mas optou por um formato fácil, mas pouco relevante do ponto de vista informativo.
O texto segue o padrão “in his own words'', ou seja, em suas próprias palavras. É uma tentativa de contar uma história por meio de milhares de declarações de artistas, com algumas intervenções para “contextualizar''.

O resultado, no entanto, é um pouco decepcionante. Não entrega o que promete. É uma sucessão interminável de declarações de astros de várias gerações, seja em entrevistas aos autores ou concedidas a diversos veículos de comunicação, com quase nenhuma informação nova e uma ênfase sensacionalista nas aventuras sexuais e nas farras movidas a drogas e álcool, algo que pouco contribui para contar a “história definitiva'' do heavy metal. A música tem menos espaço do que deveria ter.

De qualquer forma, ainda que não passe de uma compilação de declarações que mostre de leve a evolução do segmento musical, serve como um livro de curiosidades e de introdução a quem pretende conhecer mais sobre o assunto.

Mais criterioso e informativo é “Heavy Metal: A História Completa'', do suíço Ian Christe, que vai a fundo na evolução histórica do subgênero, com rigor jornalístico e de pesquisa, sem perder o foco com a periferia de declarações pouco relevantes. Para quem realmente quer saber mais sobre a história do heavy metal, este é mais recomendável.



 Marcelo Moreira
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Músico do Ghost comenta homenagem a amigo suicida

“He Is”, faixa do álbum Meliora, do Ghost, é uma homenagem a Selim Lemouchi, líder da banda holandesa The Devil’s Blood. Ele cometeu suicídio em março de 2014, aos 33 anos. “Vivíamos longe, mas sempre que nos encontrávamos era uma diversão. Essa música já existia em demos, mas nunca tínhamos acertado o aspecto lírico. Após a morte de Selim, tudo se acertou. Ela fala sobre a fé em um grande além”, disse um dos músicos da banda ao Loudwire.