Pular para o conteúdo principal

A-ha instaura karaokê coletivo em show na Barra Funda, em SP




Após uma maratona de 20 dias correndo o Brasil, com shows no Rock in Rio, Fortaleza, Recife, Brasília, Pará (e nesta quinta em Curitiba, no Curitiba Master Hall), o grupo norueguês A-ha baixou na noite dessa quarta-feira (14) no Espaço das Américas, na Barra Funda, em São Paulo, mais uma vez com casa lotada. Impressiona sua consistente popularidade: no final de semana, hospedados no mesmo hotel da seleção brasileira de futebol em Fortaleza, fizeram com que ninguém se lembrasse de Daniel Alves e Hulk por ali.

Em São Paulo, em 1h40 de show, o A-ha instaurou uma espécie de karaokê coletivo. O primeiro grande coral de 8 mil pessoas da noitada foi com "Stay on These Roads" (música-título do terceiro álbum da banda, de 1988). Depois, prosseguiu com a balada "Crying in the Rain", "Hunting High and Low" (que tem 30 anos de idade e fica cada vez melhor) e "You are the one". De vez em quando, o tecladista Magne até virava o microfone para o público, para que fizesse a sua parte.

Mas a plateia esperava mesmo era por "Take on me", que pedia aos berros. A canção veio no finalzinho, após um longo bis de três músicas. A satisfação do público era evidente.
"Boa noite! Nós estamos muito felizes de estar aqui", disse o tecladista Magne Furuholmen, encarregado do português de viagem, ao iniciar o show com "Cast in Steel", do seu disco mais recente, lançado este ano. Abrindo a noite, "Cast in Steel" chegava a causar espanto: como é que um grupo de pop rock faz uma música tão pueril, tão manjada, tão "antiga" em pleno século 21? "Cast in Steel" soaria ousada em 1985, quando o A-ha começou, mas hoje parecia brincadeira. De fato, é no passado que está o futuro do A-ha: assim que a banda empunhou "Cry Wolf" (do disco Scoundrel Days, de 1986), ficou evidente o quanto eles eram visionários em seu synthpop inaugural.
Com bases orquestrais que evocam, não raro, música clássica, Bach ou Beethoven, e lições do minimalismo pré-robótico do Kraftwerk, o A-ha conseguiu sintetizar uma linguagem desconcertantemente popular e simples, mas sem ser simplória. Magne e mais Paul Waaktar-Savoy (guitarras)  e Morten Harket (voz) são o A-ha (que conta com três músicos extras, um baterista, um baixista e um programador). Com uma touquinha de lã e parecendo coadjuvante, Waaktar-Savoy é na verdade o principal compositor do grupo. No show dessa noite, ele assumiu um coté mais para The Edge, flutuando pelo palco com texturas quase invisíveis, mas de eficiência irrepreensível.

orten Harket é tão cool que parece um homem de gelo. Não é um entertainer, quase não fala com o público – e mesmo quando desceu do palco e foi até ele, parecia uma entidade. Mas é impressionante como sustenta um falsete por mais de 20 segundos, um portento vocal. Também seu rosto, a máscara trágica de sobrancelhas arqueadas e os gestos lentos contribuem para dar credibilidade ao conceito de "melancolia melódica" da banda – uma melancolia dançável, paradoxalmente eufórica, à maneira do New Order.
A vantagem, em relação aos shows nos estádios e ao Rock in Rio, é que o Espaço das Américas possibilitou uma apresentação mais intimista, mais generosa com os detalhes. Houve uns problemas no telão, que estava com delay entre a imagem e a voz e instrumentação. Na saída do show, o conterrâneo do grupo, o cantor Sondre Lerche (que se apresenta nesse final de semana no Popload Festival, no Audio Club), que estava vendo o concerto, comentou: "Foi um show de som mais encorpado, com uma guitarra mais agressiva. Fantástico".

Fonte: UOL
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine