Pular para o conteúdo principal

A-ha instaura karaokê coletivo em show na Barra Funda, em SP




Após uma maratona de 20 dias correndo o Brasil, com shows no Rock in Rio, Fortaleza, Recife, Brasília, Pará (e nesta quinta em Curitiba, no Curitiba Master Hall), o grupo norueguês A-ha baixou na noite dessa quarta-feira (14) no Espaço das Américas, na Barra Funda, em São Paulo, mais uma vez com casa lotada. Impressiona sua consistente popularidade: no final de semana, hospedados no mesmo hotel da seleção brasileira de futebol em Fortaleza, fizeram com que ninguém se lembrasse de Daniel Alves e Hulk por ali.

Em São Paulo, em 1h40 de show, o A-ha instaurou uma espécie de karaokê coletivo. O primeiro grande coral de 8 mil pessoas da noitada foi com "Stay on These Roads" (música-título do terceiro álbum da banda, de 1988). Depois, prosseguiu com a balada "Crying in the Rain", "Hunting High and Low" (que tem 30 anos de idade e fica cada vez melhor) e "You are the one". De vez em quando, o tecladista Magne até virava o microfone para o público, para que fizesse a sua parte.

Mas a plateia esperava mesmo era por "Take on me", que pedia aos berros. A canção veio no finalzinho, após um longo bis de três músicas. A satisfação do público era evidente.
"Boa noite! Nós estamos muito felizes de estar aqui", disse o tecladista Magne Furuholmen, encarregado do português de viagem, ao iniciar o show com "Cast in Steel", do seu disco mais recente, lançado este ano. Abrindo a noite, "Cast in Steel" chegava a causar espanto: como é que um grupo de pop rock faz uma música tão pueril, tão manjada, tão "antiga" em pleno século 21? "Cast in Steel" soaria ousada em 1985, quando o A-ha começou, mas hoje parecia brincadeira. De fato, é no passado que está o futuro do A-ha: assim que a banda empunhou "Cry Wolf" (do disco Scoundrel Days, de 1986), ficou evidente o quanto eles eram visionários em seu synthpop inaugural.
Com bases orquestrais que evocam, não raro, música clássica, Bach ou Beethoven, e lições do minimalismo pré-robótico do Kraftwerk, o A-ha conseguiu sintetizar uma linguagem desconcertantemente popular e simples, mas sem ser simplória. Magne e mais Paul Waaktar-Savoy (guitarras)  e Morten Harket (voz) são o A-ha (que conta com três músicos extras, um baterista, um baixista e um programador). Com uma touquinha de lã e parecendo coadjuvante, Waaktar-Savoy é na verdade o principal compositor do grupo. No show dessa noite, ele assumiu um coté mais para The Edge, flutuando pelo palco com texturas quase invisíveis, mas de eficiência irrepreensível.

orten Harket é tão cool que parece um homem de gelo. Não é um entertainer, quase não fala com o público – e mesmo quando desceu do palco e foi até ele, parecia uma entidade. Mas é impressionante como sustenta um falsete por mais de 20 segundos, um portento vocal. Também seu rosto, a máscara trágica de sobrancelhas arqueadas e os gestos lentos contribuem para dar credibilidade ao conceito de "melancolia melódica" da banda – uma melancolia dançável, paradoxalmente eufórica, à maneira do New Order.
A vantagem, em relação aos shows nos estádios e ao Rock in Rio, é que o Espaço das Américas possibilitou uma apresentação mais intimista, mais generosa com os detalhes. Houve uns problemas no telão, que estava com delay entre a imagem e a voz e instrumentação. Na saída do show, o conterrâneo do grupo, o cantor Sondre Lerche (que se apresenta nesse final de semana no Popload Festival, no Audio Club), que estava vendo o concerto, comentou: "Foi um show de som mais encorpado, com uma guitarra mais agressiva. Fantástico".

Fonte: UOL
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.