Pular para o conteúdo principal

Jon Anderson e Jea-Luc Ponty se unem, mas desperdiçam ótima chance



Era para ser uma grande celebração ao rock progressivo, mas a união de dois gigantes da música não passou de um encontro pouco produtivo e frustrante.

Após passar por graves problemas de saúde entre 2008 e 2010 – que culminaram com sua saída do Yes -, o cantor Jon Anderson retomou a carreira ao lado do amigo e ex-companheiro de banda Rick Wakeman.

O projeto dos dois surpreendentemente deu mais certo doq que previam, rendendo um bom álbum e um combo CD/DVD ao vivo.  Entretanto, foi mais surpreendente ainda quando o cantor de 71 anos decidiu se unir ao violinista francês Jean-Luc Ponty no ano passado.
The Anderson Ponty Band prometia resgatar o violinista, que andava meio sumido, e mais ainda do rock. Com prolítica carreira solo no jazz fusion e passagem bombástica pela banda de Frak Zappa, o francês se tornou uma referência do violino associado à música popular.

A primeira colaboração entre os dois músicos deixou bastante a desejar. Em vez de ousar e trilhar um caminho diferente, optaram pelo conforto e pelo comodismo em “Better Late tha Ever'', CD recém-lançado e que gerou uma turnê pelos Estados Unidos.



O álbum foi parcialmente gravado ao vivo em 2014, com retoques no estúdio, e traz cinco regravações do Yes, com arranjos interessantes de Ponty no violino, mas que nada acrescentaram, infelizmente, às canções – “Time and a Word'', por exemplo, foi assassinada ao ser transformada em um quase reggae, uma paixão de Anderson.
“Owner of a Lonely Heart'' teve um destino melhor, apesar dos arranjos eletrônicos. O violino ganha protagonismo e fez um papel bem iteressante, ainda que uma guitarra tenha feito uma base desnecessária.

As demais nove composições, assinadas pelos dois astros, seguem o padrão pop de Anderson em seus trabalhos mais recentes, com acento folk. O detalhe é que o violino, na maioria delas, pouco acrescenta, infelizmente, em um conswervadorismo inexplicável para um artista tido de vanguarda.
O começo é animador com uma introdução altamente progressiva, para cair no marasmo em seguida em “One in the Rhythm of Hope'', embora o violino se destaque de forma interessante.

As letras espiritualizadas e new age de Jon Anderson permeiam todo o trabalho, mas não são suficientes para levantar o astral em canções pouco inspiradas. “Infinite Mirage'', “Renaissance of the Sun'' e “Soul Eternal'' se destacam no restante do álbum de pouco brilho.
Após trabalhos elogiados com o tecladista grego Vangelis, no começo dos anos 80, e com Rick Wakeman, esperava-se que a união com Ponty representasse um avanço na consagrada carreira dos dois. Neste primeiro trabalho, aparentemente, a oportunidade foi perdida.

 Marcelo Moreira
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Músico do Ghost comenta homenagem a amigo suicida

“He Is”, faixa do álbum Meliora, do Ghost, é uma homenagem a Selim Lemouchi, líder da banda holandesa The Devil’s Blood. Ele cometeu suicídio em março de 2014, aos 33 anos. “Vivíamos longe, mas sempre que nos encontrávamos era uma diversão. Essa música já existia em demos, mas nunca tínhamos acertado o aspecto lírico. Após a morte de Selim, tudo se acertou. Ela fala sobre a fé em um grande além”, disse um dos músicos da banda ao Loudwire.