Pular para o conteúdo principal

Jon Anderson e Jea-Luc Ponty se unem, mas desperdiçam ótima chance



Era para ser uma grande celebração ao rock progressivo, mas a união de dois gigantes da música não passou de um encontro pouco produtivo e frustrante.

Após passar por graves problemas de saúde entre 2008 e 2010 – que culminaram com sua saída do Yes -, o cantor Jon Anderson retomou a carreira ao lado do amigo e ex-companheiro de banda Rick Wakeman.

O projeto dos dois surpreendentemente deu mais certo doq que previam, rendendo um bom álbum e um combo CD/DVD ao vivo.  Entretanto, foi mais surpreendente ainda quando o cantor de 71 anos decidiu se unir ao violinista francês Jean-Luc Ponty no ano passado.
The Anderson Ponty Band prometia resgatar o violinista, que andava meio sumido, e mais ainda do rock. Com prolítica carreira solo no jazz fusion e passagem bombástica pela banda de Frak Zappa, o francês se tornou uma referência do violino associado à música popular.

A primeira colaboração entre os dois músicos deixou bastante a desejar. Em vez de ousar e trilhar um caminho diferente, optaram pelo conforto e pelo comodismo em “Better Late tha Ever'', CD recém-lançado e que gerou uma turnê pelos Estados Unidos.



O álbum foi parcialmente gravado ao vivo em 2014, com retoques no estúdio, e traz cinco regravações do Yes, com arranjos interessantes de Ponty no violino, mas que nada acrescentaram, infelizmente, às canções – “Time and a Word'', por exemplo, foi assassinada ao ser transformada em um quase reggae, uma paixão de Anderson.
“Owner of a Lonely Heart'' teve um destino melhor, apesar dos arranjos eletrônicos. O violino ganha protagonismo e fez um papel bem iteressante, ainda que uma guitarra tenha feito uma base desnecessária.

As demais nove composições, assinadas pelos dois astros, seguem o padrão pop de Anderson em seus trabalhos mais recentes, com acento folk. O detalhe é que o violino, na maioria delas, pouco acrescenta, infelizmente, em um conswervadorismo inexplicável para um artista tido de vanguarda.
O começo é animador com uma introdução altamente progressiva, para cair no marasmo em seguida em “One in the Rhythm of Hope'', embora o violino se destaque de forma interessante.

As letras espiritualizadas e new age de Jon Anderson permeiam todo o trabalho, mas não são suficientes para levantar o astral em canções pouco inspiradas. “Infinite Mirage'', “Renaissance of the Sun'' e “Soul Eternal'' se destacam no restante do álbum de pouco brilho.
Após trabalhos elogiados com o tecladista grego Vangelis, no começo dos anos 80, e com Rick Wakeman, esperava-se que a união com Ponty representasse um avanço na consagrada carreira dos dois. Neste primeiro trabalho, aparentemente, a oportunidade foi perdida.

 Marcelo Moreira
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.