Pular para o conteúdo principal

Epitáfio de Lemmy com o Motorhead é um grande tributo ao rock pesado

http://headbangervoice.blogspot.com.br


Quando o Motorhead lançou “Aftershock'', dois anos atrás, o vocalista e baixista Lemmy Kilminster vivia o seu inferno astral, com alguns pronlemas de saúde e várias especulações quanto ao futuro do trio mais pesado dos últimos 40 anos. O álbum mantinha um certo nível de qualidade, embora sem grande inspiração.

Mesmo cancelando alguns shows, o Motorhead persistiu, mas um CD bônus ao vivo sem muito tratamento que lançado em edição limitada de “Aftershock'' mostrava a banda meio desconectada, com um cansaço evidente demonstrado por Lemmy.

O baixista decidiu desacelerar e seguir os tratamentos médicos. E o resultado é que, à beira dos 70 anos de idade – e o Motorhead completando 40 anos de carreira -, o baixista e vocalista parecia mais inteiro, parcialmente recuperado, assim como mais inspirado.

Mal sabíamos que seria o último suspiro de criatividade do mestre do  baixo pesado – Lemmy morreu nesta segunda-feira (28 de dezembro), vitimado por um câncer agressivo descoberto dois dias antes.

O último álbum do grupo, “Bad Magic'', lançado neste ano, é bem superior aos últimos trabalhos. O piloto automático de “Aftershock'', que não é um álbum ruim, deu lugar um vigor inesperado de quem passou por muitos problemas desde 2011.

Contagiado pela vontade do chefe, o guitarrista Phil Campbell mostrou-se afiado e raivoso, com bons solos e mantendo a timbragem pesada dos grandes álbuns lançados a partir de 1990.

“Victory or Die'' é uma pancada perfeira para abrir “Bad Magic'': rápida, certeira, pesada, ganchuda e com um bom refrão. O primeiro single, “Electricity'', segue na mesma toada, com uma letra instigante e um vocal mais rasgado.

Outraas faixas que merecem destaque são “Thunder & Lightning'', um pouco mais cadenciada e com excelente trabalho de guitarras; “Shoot Out All of Your Lights'', um heavy metal típico e um pouco cru; “The Devil'', resgatando um climão oitentista com um um trabalho bem elaborado na bateria de Mikkey Dee; e o maravilhoso blues pesado “Till the End'', remetendo à ao menos maravilhosa “One More Fucking Time''.

O final do álbum é um pouco capenga, com a repetitiva “When the Sky Comes Looking for You'', com praticamente a mesma estrutura das duas primeiras músicas do CD, pouco acrescentando.
Já a versão de “Sympathy for the Devil'', dos Rolling Stones, quebra o ritmo intenso e veloz, com pouca audácia e ousadia, limitando-se a seguir com poucas variações a música original – dispensável e desnecessária.

“Bad Magic'' é uma boa notícia porque traz o Motorhead novamente motivado e inspirado, mebora esteja bem longe de ser uma obra-prima. Entretanto, é melhor do que 95% ds lançamentos de qualquer área do rock em 2015.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Grave Digger: Banda Gueppardo convidada para abertura em Porto Alegre

A banda Gueppardo foi anunciada como uma das atrações de abertura para o show de Porto Alegre da nova turnê mundial do lendário grupo alemão, Grave Digger. Os shows acontecem no dia 29 de março, no teatro do CIEE (D. Pedro II, 861).

Grave Digger é considerada, ao lado de Rage e Running Wild, uma das maiores bandas de Heavy Metal surgidas na Alemanha, e uma das mais importantes do mundo. Com mais de 35 anos na estrada e 18 álbuns de estúdio lançados, essa é a décima passagem dos alemães pelo Brasil, que promovem o seu novo disco, “Healedby Metal”, lançado em janeiro de 2017.

Gueppardo é uma banda de Hard n’ Heavy de Porto Alegre (RS), formada em 2007. Possui no currículo shows em todo Brasil e também na Argentina, ao lado de nomes de peso, como Steve Grimmett's Grim Reaper e Blaze Bayley (Iron Maiden). Lançou em 2015, o álbum “Fronteira Final”, considerado como um dos melhores lançamentos do estilo no ano. Recentemente a banda disponibilizou em seu canal no youtube, o videoclipe ofi…

Electra Mustaine: a linda filha do Sr. Dave Mustaine

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…