Pular para o conteúdo principal

Motörhead: 25 anos de 1916

http://headbangervoice.blogspot.com.br


Em 1990, Lemmy Kilmister realizou um objetivo de vida ao se mudar para West Hollywood, Califórnia, onde permaneceu até a morte. Com isso, ficou próximo de seu habitat preferencial, o Rainbow Bar & Grill, além de ter um contato diário com um clima de calor, como gostava. Porém, engana-se quem pensa que o Motörhead aderiu ao som festeiro e colorido das bandas locais, então no auge do sucesso. Ao contrário, o cenário apocalíptico continuava dominando a temática, embora abrisse espaço para algumas homenagens, sendo uma em especial a um país que tanto conhecemos. O fato é que várias músicas que entraram em 1916 já eram conhecidas por quem acompanhou os shows da então mais recente turnê do grupo, o que permitiu que elas ganhassem corpo antes mesmo de o quarteto entrar em estúdio.
Inicialmente, o produtor seria Ed Stasium, que vivia um grande momento após ter trabalhado com o Living Colour. Porém, após ter colocado instrumentos percussivos em uma música sem conhecimento da banda, acabou mandado embora, sendo substituído por Peter Solley. Em seus menos de 40 minutos, o álbum traz algumas diferenças em relação aos seus antecessores. A faixa-título é um tributo de Lemmy aos soldados mortos na Batalha do Somme, ocorrida no nordeste da França, durante a Primeira Guerra Mundial. “Nightmare/The Dreamtime” contava com teclados, enquanto “Love Me Forever” era uma balada em sua mais pura concepção. Mesmo “Angel City”, que conservava a veia Rock and Roll, trazia como novidade a inclusão de um saxofone.

 https://d3rt1990lpmkn.cloudfront.net/85/e0512dac98fc1e03ed09de4dd3cc56668a799cf2


 Mas o típico Motörhead ainda estava presente na maior parte do tracklist, como ficava claro já na abertura, com “The One To Sing The Blues” e sua introdução cavalar, protagonizada por Phil Taylor. A sequência traz a pedrada “I’m So Bad (Baby, I Don’t Care)”, uma das mais conhecidas, que é sucedida por “No Voices In The Sky”, outra preferida dos fãs. Porém, é claro que o momento mais emocionante para os brasileiros vem em “Going To Brazil”, que ficou no setlist dos shows até o fim da carreira, servindo tanto como homenagem aos dedicados adeptos locais como aos integrantes da equipe técnica de origem tupiniquim. Apesar de ter feito outras homenagens do gênero, o Motörhead nunca obteve a mesma repercussão, para nosso orgulho.
Ainda havia outro tributo a se prestar em “R.A.M.O.N.E.S.” que, como Joey Ramone declarou, foi “a honra definitiva, como ser homenageado por John Lennon”. Não é para menos, já que a faixa é um Rock And Roll em sua essência – e com menos de um minuto e meio, como determina a cartilha dos celebrados em seus melhores momentos. 1916 chegou ao número 24 no chart do Reino Unido, além de um discreto 142º posto nos Estados Unidos. Foi indicado ao Grammy na categoria Best Metal Album, perdendo para o Metallica e seu disco autointitulado. Para Lemmy, foi um renascimento da banda, que não vinha bem na segunda metade dos anos 1980 em termos de repercussão. Também acabou sendo o último play em que Animal Taylor tocou por completo. Merece estar na coleção de todos os fãs.

Lemmy Kilmister (baixo, vocais)
Phil Campbell (guitarra)
Würzel (guitarra)
Phil “Philty Animal” Taylor (bateria)

01. The One To Sing The Blues
02. I’m So Bad (Baby, I Don’t Care)
03. No Voices In The Sky
04. Going To Brazil
05. Nightmare/The Dreamtime
06. Love Me Forever
07. Angel City
08. Make My Day
09. R.A.M.O.N.E.S.
10. Shut You Down
11. 1916

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.