Pular para o conteúdo principal

Silent Cry transcende sua história ao apresentar nova abordagem artística


São mais de 20 anos de carreira e uma discografia composta por obras de extrema relevância para o cenário do heavy metal brasileiro. Especialmente no segmento do doom-gothic metal, estilo que se desenvolveu no Brasil a partir da própria história do Silent Cry. Elas se fundem, aliás.

De forma que é bastante seguro dizer que o doom-gothic metal, no Brasil, não seria o mesmo sem o Silent Cry.

A permanência é quase pressuposta de qualquer pioneiro de um determinado movimento artístico, especialmente na música. É sempre mais seguro continuar percorrendo o caminho conhecido, e consagrado, do que se engendrar continuadamente pelo novo.

Em "Hypnosis", novo disco do Silent Cry, há sim muito da sonoridade tradicional da banda. Fãs do clássico "Remembrance" não vão se decepcionar. Mas no que se refere à abordagem artística e conceitual, o Silent Cry transcendeu sua própria história.

Conceitualmente, "Hypnosis" dialoga sobre aceitação e desprendimento, temas distantes às letras depressivas e suicidas do início de carreira. Reflexo direto de experiências vividas por Dilpho Casto, guitarrista, vocalista, compositor e fundador do Silent Cry.

"A proposta inicial do Silent Cry era integralmente emocional. Deixávamos a musical fluir de forma espontânea e com isso não nos preocupávamos muito com o conteúdo de nossas letras. Hoje a proposta do Silent Cry continua sendo integralmente emocional, com a diferença que passamos por vivências que queremos trazer para nossa música, de forma que ela seja mais atrativa e atraente para nós mesmos", declara o músico.

As vivências que Dilpho se referem são voltadas à área holística do auto-conhecimento e meditação. Esses elementos estão tão presentes em "Hypnosis" que, segundo Dilpho, as músicas podem funcionar como mantras.

"Se Hypnosis existe é devido as minhas experiências nessa área. A banda estava praticamente parada, quando passei a compor durante acampamentos de meditação em meio a natureza, onde a inspiração fluiu livremente. Experiências de técnicas de respiração conscientes pranayama, meditação e yoga são coisas que mudaram a minha vida e a da Joyce. Em Hypnosis há uma abordagem grande voltada a isso. O disco pode ser um condutor. Se o ouvinte prestar atenção na letra e relaxar sob as melodias, será possível descansar um pouco a mente e sentir o momento presente. As músicas foram originalmente compostas com esse propósito."

"Hypnosis" foi produzido por Ricardo Confessori (Angra/Shaman) que também gravou as baterias do álbum. O disco saiu pela Megahard Records e está à venda no site da gravadora: www.megahardrecords.com.br/silent-cry-hypnosis-cd-gothic-symphonic-metal-frete-gratis.html

Além de Dilpho e da vocalista Joyce Vasconcelos, completam a atual formação do Silent Cry o guitarrista Douglas Nilson e o baixista Roberto Freitas.

Um vídeo-letra da faixa título do álbum está disponível no canal oficial da banda no Youtube: www.youtube.com/watch?v=Km3bANzr5mQ
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Guns N’ Roses: Surge primeira foto de W. Axl Rose em 18 meses

Agora já com uma volta de parte do núcleo que fez do GUNS N’ ROSES a maior banda do mundo no fim dos anos 80 e começo dos anos 90 99,999% confirmada, podemos afirmar com a mesma proporção de certeza QUE:

1 – O grupo será SIM headliner do Coachella em abril próximo;

2 – A banda fará uma apresentação ao vivo no programa televisivo JIMMY KIMMEL LIVE! no mesmo dia em que as atrações do Coachella serão afirmadas – 6 de janeiro, uma quarta-feira;

3 – Mesmo com Duff e Slash a bordo, a banda – que também terá DIZZY REED, RICHARD FORTUS e FRANK FERRER – tocará “2 ou 3 faixas” do álbum de 2008 da marca, “Chinese Democracy”;

4 – Existe SIM um esforço do empresário Doc McGhee para que o SKID ROW – agora sem vocalista – reúna sua formação clássica com o vocalista SEBASTIAN BACH para abrir os 25 shows da turnê estadunidense que começa
em maio. Seria um modo de a banda celebrar os 25 anos de seu maior sucesso de crítica e público, “Slave To The Grind”

5 – Prepare-se para comprar uma caça…

Peso Resistente: a discografia comentada do Motörhead

Poucas figuras encarnaram com tanta propriedade o espírito indômito do rock and roll quanto Ian “Lemmy” Kilmister. O líder, cantor e baixista do Motörhead, nascido no dia 24 de dezembro de 1945, em Londres, chegou a sete décadas de vida com a popularidade intacta, embora não se pudesse dizer o mesmo de sua saúde. Após lançar em 2015 o o disco Bad Magic, com o Motörhead, Lemmy morreu no dia 28 de dezembro, vítima de um câncer.

Foram 40 anos de Motörhead e uma vasta discografia cheia de ótimos álbuns que valem a pena ser revisitados. Há muitas outras boas canções além de “Ace of Spades” e “Overkill”, duas das mais conhecidas pelo grande público. Lemmy nunca gostou de rótulos – sempre falou que apenas tocava rock and roll –, só que os trabalhos clássicos mostrados aqui ajudaram a moldar algumas das mais importantes facetas do heavy metal moderno.

Overkill (1979)
O segundo disco do Motörhead trazia a formação mais feroz e conhecida da banda – além de Lemmy, também estavam “F…

Ratos de Porão: 'Crucificados Pelo Sistema' tem relançamento especial

O álbum de estreia do Ratos de Porão, Crucificados pelo Sistema, lançado originalmente em 1984, tem o relançamento previsto para Março deste ano nos formatos LP e CD.

A Hearts Bleed Blue (HBB), ao lado das gravadoras Läjä Records e Bruaki!, será responsável pela nova edição do clássico que, com a capa na cor preta, tem versão especial em vinil 180 gramas. O LP ainda vem acompanhado de um EP 7 polegadas inédito, com seis músicas, gravado ao vivo em 1983 no Napalm, lendária casa de show de São Paulo.

Já é possível encontrar o relançamento de Crucificados pelo Sistema em pré-venda, nos dois formatos, através do site da HBB Store. Na loja da gravadora também está à venda o documentário "30 Anos Crucificados Pelo Sistema", que conta a história da gravação do álbum de estreia do Ratos de Porão.